fbpx
Conecte-se conosco

Coluna Simpi

Coluna Simpi – Relações do Estado, a livre iniciativa e as empresas

Publicado

em

Relações do Estado, a livre iniciativa e as empresas 

“A situação do Brasil é dramática, sobretudo para as pequenas e médias empresas”, afirma Walfrido Jorge Warde Junior, presidente do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE). Quem sobrevive a um ano de pandemia, lockdown e falta de incentivo governamental? Warde acredita que o cenário favorece apenas as grandes corporações. “Sem muita concorrência, aumentam seu poder de mercado e sua aproximação com o Estado, com o risco de estabelecer uma relação de domínio, visto que ela passa a ser provedora de produtos, serviços, postos de trabalho e ainda pode regular a demanda de consumo” alerta.  

Warde avalia que a saída de multinacionais do Brasil é preocupante, mas previsível. “O nível de compromisso para continuidade de empresas no país é baixo e, à medida em que diminui o mercado consumidor em consequência da perda do poder aquisitivo, não faz sentido se manter aqui, pois a finalidade dessas empresas é gerar lucro”, explica. Ele ressalta ainda a grave crise sanitária no Brasil, ultrapassando 400 mil mortes. “Não temos um projeto para sair da crise. Não conseguimos executar bem o lockdown, nem o distanciamento social e não estamos protegendo as pessoas”, lamenta. Para ele, talvez estejamos próximos de uma curva decrescente de contágio e de morte, mas será uma chaga de natureza sanitária e econômica que não esqueceremos. 

Quanto ao cenário político futuro, Warde prevê eleições polarizadas entre o presidente Bolsonaro e Lula, agora elegível. “Por outro lado, se houver um desgaste acentuado do presidente até lá, poderemos ter um candidato do centro no segundo turno com Lula”, cogita. Em relação à reforma tributária, diz que falta consenso e uma proposta que proporcione distribuição de renda, alíquota progressiva e que, de fato, tire o ônus dos assalariados de sustentar o Brasil. 

Assista: https://youtu.be/suDbbumewYc  

Bolsonaro traz mais  R$ 5 bi para micro e pequenas empresas 

Presidente da República, Jair Bolsonaro, encaminhou ao Senado Federal mensagem para a apreciação da operação de crédito externo, a ser contratada entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com garantia da República Federativa do Brasil, no valor de até 750 milhões de dólares. Os recursos serão destinados ao Programa Global de Crédito Emergencial BID-BNDES de Financiamento às MPMEs (micro, pequenas e médias empresas) para a Defesa do Setor Produtivo e o Emprego. 

O objetivo do programa é apoiar a sustentabilidade financeira das MPMEs e a sobrevivência dessas empresas no contexto atual, diante dos desafios impostos pela crise econômica provocada pela Covid-19, sobretudo quanto à manutenção da produção, distribuição e consumo de bens e serviços, assim como do emprego e da geração de caixa necessária para a continuidade do negócio. 

A soma de 750 milhões de dólares do BID implica um aporte de 150 milhões de dólares por parte do BNDES para o mesmo programa, elevando o volume de recursos destinados às MPMEs a 900 milhões de dólares (uma quantia próxima de 5 bilhões de reais). 

Reflexos dos custos de produção na economia 

O Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM), calculado pela Fundação Getúlio Vargas, apresentou uma variação de 32%, de maio do ano passado até abril deste ano. Segundo o economista Otto Nogami, isto aconteceu porque o IGPM é composto por três indicadores, que medem: a variação de preços da estrutura de consumo das famílias, a variação de preços na construção civil e, o mais representativo deles, a variação de preços na indústria. “O índice que mede a variação de preços na indústria acompanha oscilação das matérias-primas brutas, principalmente combustíveis, que foram afetados diretamente pela forte desvalorização do Real. Em consequência, o segmento de logística foi atingido e, por estar presente em todos os setores, justifica o encarecimento dos preços finais ao consumidor”, explica. 

Retomada, ainda que tímida 

“Muitas empresas sofreram queda no faturamento de março a maio do ano passado. Algumas, entretanto, já estão conseguiram reverter a situação mudando a estratégia de negócios, seja por meio do comércio eletrônico, delivery ou investindo em tecnologia”, afirma Marcos Travassos, CEO da Money Money Invest, uma fintec que faz operações de crédito para pequenas e médias empresas. Segundo ele, no primeiro trimestre de 2021, apesar da segunda onda de covid-19, há empresas crescendo e procurando linhas de crédito para custear contratações, equipamentos e até expansões.  

A força do esporte eletrônico 

O mercado de esporte eletrônico começa a ser visto com maturidade por industriais e empresários, segundo Daniel Cossi, presidente da Confederação Brasileira do Desporto Eletrônico (CBDEL). Para ele, houve amadurecimento no entendimento do papel desse segmento como ferramenta de informação e inclusão, tornando o mercado atrativo para nichos focados num engajamento diferente: marcas, produtos e serviços relacionados à educação e novos negócios com interesse em transmitir valores e não apenas para ações promocionais. 

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Coluna Simpi

Receita Federal notifica 440 mil micro e pequenas empresas

Publicado

em

Receita Federal notifica 440 mil micro e pequenas empresas 

Já foram disponibilizados, no Domicílio Tributário Eletrônico do Simples Nacional (DTE-SN), os Termos de Exclusão do Simples Nacional e os respectivos Relatórios de Pendências dos contribuintes que possuem débitos com a Receita Federal e/ou com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Os documentos podem ser acessados tanto pelo Portal do Simples Nacional, por meio do DTE-SN, ou pelo Portal e-CAC do site da Receita Federal. Portanto as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples deverão ficar atentas aos prazos para evitar a exclusão do sistema, e caso queira regularizar suas pendências, evitando assim sua exclusão, poderá fazê-lo em até 30 dias da ciência da mensagem recebida. Pode ainda parcelar os débitos.  Foram notificadas, no total, as 440.480 empresas devedoras do Simples Nacional, com significativo valor pendente de regularização, correspondendo a um total de dívidas em torno de R$ 35 bilhões.  

Minuto Simpi – Leite uma  boa alternativa econômica para Porto Velho  

A questão dos laticínios em Rondônia ainda é algo que o poder público precisa voltar a  discutir. De acordo com Paulo Moreira, pesquisador da EMBRAPA, Rondônia “necessita que os laticínios sejam ampliados e modernizados, porque o mercado consumidor hoje é muito mais exigente”. O pesquisador diz ainda que “em termos de volume os laticínios que temos são adequados, o que é necessário são investimentos em tecnologia e maquinas mais modernas  objetivando  melhorar  os custos de produção”. A micro região de Porto Velho hoje é a segunda maior produtora de leite do estado, e ainda não possui nem ao menos um  laticínio. A grande maioria das unidades processadoras de leite se concentram na região central do estado. Paulo comenta que “caso avancem para o sentido  Porto Velho, a unidade processadora  estará mais próxima dos produtores e mais próximo também dos consumidores, o que fará diminuir os  custos de captação e distribuição.  Para quem não sabe, Porto Velho é  o 5º maior produtor de leite do estado  e o maior centro consumidor de lácteos.  

Assista https://www.youtube.com/watch?v=57v56EpoYGM  

Conjuntura econômica  

“O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) referente ao segundo trimestre de 2021 veio aquém ao que o mercado esperava, que era de até 0,5% de crescimento. No entanto acabou caindo 0,1%”, afirma o economista Otto Nogami. Segundo ele, diferenças pequenas, mas representativas. A queda se justifica pelo conjunto: consumo das famílias, gastos do governo, formação bruta de capital fixo e exportações. “Por conta do processo inflacionário, o consumo das famílias se manteve estável. Já os gastos do governo tiveram alta de 0,7% devido ao reinicio do pagamento do auxílio emergencial. No setor produtivo, houve queda de 3,6% nos investimentos. E as exportações tiveram alta de 9,4%, considerando a safra de grãos. O conjunto de resultados acabou comprometendo a retomada do crescimento”, explica. Para o futuro, segundo Nogami, devemos considerar a alta da inflação, que compromete a capacidade de consumir das famílias; e a elevação da taxa de juros, que deve chegar a 8% no final do ano. “Preocupante”, lamenta. 

Como é aprovado o crédito digital? 

Todo comportamento de compra e pagamentos, seja pessoa física ou jurídica, é agrupado em um grande armazém virtual de dados chamado big data. De acordo com Marcos Travassos, CEO da Money Money Invest, esses dados servem de parâmetros para algoritmos com inteligência artificial que dão notas de crédito para pessoas e empresas. Como ser um bom cliente para a análise do algoritmo? “A resposta é organização financeira e gestão de fluxo de caixa. Quanto mais organizado você for e pagar as contas em dia, melhor será a negociação com o banco e o crédito concedido. Mas o contrário também é verdadeiro, ou seja, se você entrar numa espiral negativa, poderá ser visto como mal pagador”, explica. 

Lei de superendividamento 

“É paradoxal, mas a lei de proteção ao consumidor, conhecida como Lei de superendividamento, vai também ajudar os bancos”, afirma o economista Roberto Luis Troster. Isto porque a lei funciona como uma recuperação judicial, onde o objetivo é buscar solução para as dívidas, fixando uma renda mínima para que a pessoa possa sobreviver, ao mesmo tempo em que escalona os pagamentos. Para os bancos é bom porque reduz os custos jurídicos e com empresas de cobrança.  

Continue lendo

Coluna Simpi

Coluna Simpi – MEI e Microempresa podem participar de licitação?

Publicado

em

MEI e Microempresa podem participar de licitação?   

Muita gente tem dúvidas, mas o microempreendedor individual pode participar ativamente de licitações públicas. Não se deixe enganar, pois o mercado de licitações oferece muitas oportunidades de licitações aos MEI. Aquisições de produtos a pronta entrega, de serviços de manutenção e limpeza, pequenas reformas de alvenaria, esgoto e hidráulica, representam a maior parcela de licitações que são oferecidas. Ocorre que o MEI por não ter despesas com contador e ter muitos benefícios fiscais, seus preços são muito atrativos na hora de oferecer seus produtos, ou serviços. Tendo e vista a  boa oportunidade de negócios e a grande procura  por empresas que querem  participar e vender para os governos , o Simpi  formou  parceria com o advogado especializado em licitações Ian Mollmann  que vai ensinar  todo o  passo a passo para poder participar. Quer saber mais,  procure o Simpi pelo whats 69 9 9933 03 96 

Assista: https://www.youtube.com/watch?v=GnDIrbLp7-w&feature=youtu.be  

Novas decisões legislativas para o final de 2021 

“A reforma tributária deve ser votada daqui a duas ou três semanas. O substitutivo do Legislativo tem como principal ponto a tributação da distribuição de dividendos, sobre a qual não há consenso”, de acordo com o advogado Piraci Oliveira. Isto porque a tributação de 20% do valor que é distribuído reconfigura a operação das pequenas empresas, segundo ele. Outra alteração importante diz respeito ao refis Federal, cujo Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) está aberto em diversas cidades de São Paulo. Já a reabertura do PERT está aprovada no Senado, migrou para a Câmera e deve entrar em vigor em breve, segundo Oliveira. Em relação à Medida Provisória 1040, para melhores condições de mercado para a indústria brasileira, tem entre as alterações legislativas a possibilidade de realização de assembleias gerais por meio eletrônico e a citação via e-mail nos processos judiciais. 

Sugestões ao Simples Nacional 

O Fórum Permanente da Micro e Pequena Empresa, com a presença do secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, reuniu entidades do setor produtivo para tratar do aperfeiçoamento do Simples Nacional, segundo o advogado Marcos Tavares Leite. O Sindicato da Micro e Pequena Indústria (SIMPI) sugeriu a eliminação do sublimite estadual e municipal para as empresas que optarem pelo Simples, a eliminação ou proibição da prática da antecipação do ICMS e a cobrança de um diferencial de alíquota do ICMS nas operações interestaduais, exigido inclusive dos optantes do Simples. Também foi sugerida incluir a opção semestral ao Simples Nacional e a inclusão de mais atividades no escopo. 

MEI, micro e pequena empresa ficam de fora do Cadin  

O Senado aprovou o PL 1585/2021 que suspende a inscrição das dívidas de pequenos   no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin). Essa medida vale durante a pandemia. Agora, o projeto vai à votação na Câmara dos Deputados. A proposta é do senador Wellington Fagundes (PL-MT) que comemorou na última quinta-feira, 19, a aprovação do seu  projeto. Segundo ele, as pequenas empresas, microempresas e empresas de pequeno porte estão entre as mais afetadas pelos efeitos da pandemia. 

Isso acontece porque muitos empresários deixaram de operar suas atividades econômicas e, consequentemente, não estão conseguindo arcar com os pagamentos dos tributos federais. Ele lembrou ainda que elas são responsáveis por gerar mais de 70% dos empregos no Brasil. A inclusão no Cadin acontece 75 dias após a comunicação ao devedor da existência do débito.  

A partir de setembro, dívidas dos MEIs serão cobradas na Justiça 

A partir de setembro, a Receita Federal vai encaminhar os débitos apurados nas Declarações Anuais Simplificadas para o Microempreendedor Individual (DASN-Simei) para inscrição em dívida ativa, que será cobrada na justiça acrescida de juros e outros encargos previstos em lei. Ainda  conformidade com a receita  ao menos 1,8 milhão de MEIs podem ir para dívida ativa a partir de setembro. Além disto o débitos podem levar o CNPJ  a ficar inapto e o INSS suspenso, quer dizer que o MEI não poderá comprar em seu CNPJ e  nem emitir notas fiscais,  além de ficar fora  do auxílio doença e aposentadoria. Mas fique alerta e saiba que a  perda do CNPJ não quita a dívida e nem deixa de corrigi-la por meio de multas e juros, o que faz com que ela continue aumentando. Mas a Receita  permite que  você quite seus débitos de maneira  bem suave  pois  faz  o  parcelamento do total do debito em até 60 meses, onde pagando a 1ª parcela  o nome da empresa já sairá da lista do devedores. Se tiver dificuldades em fazer  no Simpi faz para você. 

Continue lendo

Coluna Simpi

Coluna Simpi – MEIs devem regularizar dívidas até 31 de agosto

Publicado

em

Para evitar que suas dívidas sejam cobradas na justiça, o MEI precisa quitar ou parcelar seus débitos até o fim deste mês 

Os Microempreendedores Individuais (MEI) que estão devendo impostos, poderão regularizar suas dívidas até o final deste mês. A situação pode ser resolvida pelo pagamento dos débitos, utilizando o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), ou parcelamento, que deve ser realizado até o dia 31/08/2021.  A partir de setembro, a Receita Federal encaminhará os débitos apurados nas Declarações Anuais Simplificadas para o Microempreendedor Individual (DASN-Simei) não regularizados para inscrição em Dívida Ativa. Essa dívida será cobrada na justiça com juros e outros encargos previstos em lei. Regularizando sua situação até 31 de agosto, o MEI evitará a cobrança judicial da dívida inscrita e outras consequências como: deixar de ser segurado do INSS, perdendo assim os benefícios previdenciários, tais como aposentadoria, auxílio doença, dentre outros; ter seu Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) cancelado; ser excluído dos regimes Simples Nacional e Simei pela Receita Federal, Estados e Municípios; ter dificuldade na obtenção de financiamentos e empréstimos; entre outras. Se o microempreendedor não regularizar sua situação, o envio dos débitos à Dívida Ativa será o passo seguinte. Os débitos em cobrança, assim  como renegociação e parcelamento poderão ser efetuados  no Simpi de seu estado. Na dificuldade no Simpi faz.  

Refis com perdão de 90% de dívidas e parcelamento em 12 anos é aprovado 

Foi aprovado pelo Senado Federal o Projeto de Lei Complementar que reabre o programa de parcelamento de débitos tributários, mais conhecido como Refis.  Agora a matéria será enviada para votação na Câmara dos Deputados. O parecer reabre o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT) em que prevê o perdão de até 90% em multas e juros e de 100% dos encargos para dívidas contraídas até um mês antes da aprovação do programa para empresas e pessoas físicas. A adesão poderá ser realizada até o dia 30 de setembro de 2021, e o saldo poderá ser parcelado em até 144 meses, ou seja, 12 anos, com parcelas reduzidas nos três primeiros anos. Quanto maior a queda no faturamento, mais vantajosas são as condições para regularização dos débitos de quem aderir ao programa. 

Tem Refis para os pequenos também 

Foi também aprovado pelo Senado Federal e por unanimidade, uma espécie de Refis para microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte enquadrados no Simples Nacional. O programa foi batizado de Renegociação a Longo Prazo de débitos para com a Fazenda Nacional ou devidos no âmbito do Simples Nacional (Relp). Os débitos passíveis de reescalonamento serão os vencidos até o mês anterior à entrada em vigor da lei. Podem entrar débitos constituídos ou não, com exigibilidade suspensa ou não, parcelados ou não, e inscritos ou não em dívida ativa do respectivo ente federativo. Também estão contemplados os débitos que já tiverem sido parcelados em programas anteriores de parcelamento ou em fase de execução fiscal na Justiça. Pelo texto, apenas as contribuições previdenciárias não poderão ser divididas em 180 parcelas, só em 60, porque a Constituição proíbe o parcelamento. 

Regras para o “Reip” 

Para aderir ao Reip, as empresas do Simples Nacional devem solicitar a participação até 30 de setembro de 2021. Isso será feito junto ao órgão responsável pela dívida. Os valores poderão ser parcelados da seguinte forma: entrada em oito parcelas e mais 180 prestações. O vencimento da primeira prestação da entrada em setembro de 2021. Assim, o parcelamento será efetivado mediante ao pagamento da primeira parcela. Para isso, o valor mínimo das parcelas de R$ 300, exceto para MEIs que poderão ter prestações de no mínimo R$ 50. 

Recusa à vacina pode resultar em justa causa 

Um entendimento recente do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo, julgou procedente a demissão por justa causa de empregado que recusou ser vacinado contra a covid-19. De acordo com o advogado Marcos Tavares Leite, o interesse particular do empregado não pode prevalecer sobre o coletivo, pois ao deixar de se imunizar, o indivíduo coloca em risco a saúde de terceiros. “A tendência é que o entendimento seja adotado em todo o Brasil e o empregador poderá obrigar e punir o empregado que não se vacinar. Por isso, é importante que a empresa tenha um plano de conscientização e oriente trabalhadores e parceiros”, orienta. 

Lei do superendividamento 

Sancionada recentemente a Lei 14.181/2021, que altera o Código de Defesa do Consumidor e se refere ao superendividamento, afetando a relação entre o fornecedor credor e o consumidor em débito, informa o advogado Marcos Bernardini. Segundo ele, a lei prevê possibilidade de conciliação e se aplica ao consumidor pessoa física que, de boa fé, esteja em situação crítica de endividamento e que não consegue pagar, sob pena de comprometer sua subsistência. “Agora, o devedor pode, extrajudicialmente, negociar a dívida com seus credores ou solicitar a repactuação das dívidas de forma judicial. Neste caso, será marcada audiência com o juiz ou um conciliador, na presença dos credores para um acordo. O credor que se ausentar poderá sofrer penalidades”, explica Bernardini. Caso não haja acordo, o juiz poderá definir a forma de pagamento, desde que não comprometa mais de 35% da renda do devedor. 

https://youtu.be/z4G751uTeDo  

Continue lendo
--Publicidade--

Ultimas Notícias

--Publicidade--

Publicidades

Agronegócio

Policial

Internacional

Tendências

%d blogueiros gostam disto: