Conecte-se conosco

Agronegócio

Preço do leite dispara nos mercados de RO devido à estiagem e aumento no consumo durante a pandemia

Publicado

em

Emater defende que planejamento é alternativa para aumento do lucro dos produtores nos períodos de seca.

Pixabay/Couleur

O aumento repentino e significativo no preço do leite nas prateleiras dos supermercados tem chamado a atenção dos consumidores e virou assunto nas redes sociais. Em alguns estabelecimentos do estado, a caixa de 1 litro do leite UHT chega a custar R$ 5.

A equipe de reportagem conversou com o diretor técnico da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater), Anderson Kühl, para entender os motivos da elevação dos preços.

Conforme Anderson, a “culpa” pela alta do leite envolve uma combinação de fatores, como o aumento do consumo em meio à pandemia e a redução na importação do Uruguai e Argentina, o que gerou maior demanda sobre o leite brasileiro.

Por outro lado, a produção estadual caiu com o período de estiagem em Rondônia. Com menos chuva, a pastagem seca e o gado tem menos acesso a alimento. A consequência do aumento do custo de produção e menos leite disponível no mercado é a pressão sentida no preço pago pelo consumidor final.

“No período das águas para nós aqui de Rondônia, de outubro a abril, é onde nós concentramos o maior volume de capim em quantidade e qualidade. No período de maio a setembro é o período onde tem uma queda de 90% na quantidade e na qualidade. Como diminui a qualidade do capim e a quantidade ofertada dos animais, a produtividade do animais é baixa. Porque você tem uma quantidade de volumoso que é ingerido por dia”, diz o diretor

Produção em Rondônia
Conforme a Emater, as duas maiores bacias leiteiras do estado ficam na região de Jaru/Ouro Preto do Oeste e Nova Mamoré. A maior parte dos laticínios se concentra na região central.

Segundo o diretor técnico, o mercado em Rondônia se baseia muito no preço dos produtos e, por isso, no ano passado havia uma tendência de queda no número de produtores, mas com a valorização do produto neste ano, muitos reingressaram na cadeia produtiva.

Cerca de 70% da produção de leite em Rondônia é transformada em queijo mussarela e abastece os mercados de São Paulo e Amazonas. O restante é consumido internamente, principalmente como leite fluido (caixinha ou barriga mole).

Momento bom para o produtor?
Quem não fez planejamento está com um custo de produção maior e não consegue aproveitar o momento de alta nos preços pagos pelos laticínios.

“Está sendo bom para aqueles produtores que tiveram planejamento estratégico e se organizaram pra esse período da seca. Produziram uma silagem de milho, armazenaram e tem o que tratar o animal, ou mesmo um capim elefante cortado, triturado pra fornecer no coxo”, explica Anderson.

Atualmente, o preço pago pelos laticínios aos pequenos produtores está na média R$ 1,80. Até o início do ano, o valor girava em cerca de R$ 1.

Projeções
Kühl acredita que há a possibilidade de uma leve queda de aproximadamente 15% no preço do leite a partir de outubro, com o início do período chuvoso e melhor oferta de pasto. Entretanto, a normalização só deve ocorrer em janeiro.

No último dia 2 de setembro, o governo do estado publicou um decreto que aumenta a taxação de imposto sobre o leite de outros estados e diminui a carga sobre a produção local.

Anderson sugere que os produtores se planejem para a próxima seca em 2021 para conseguir aproveitar o cenário de preços melhores.

“Mais a questão de comprar insumos estrategicamente, porque hoje se tem um milho a quase R$ 70 o saco e esse milho já custou R$ 35 em janeiro. Então o produtor tem que se habituar a fazer compras estratégicas, em grupo e procurar diminuir os custos internos, da porteira pra dentro”, aconselhou.

Fonte: G1 RO

--Publicidade--
1 Comentário

1 Comentário

  1. Pingback: Preço do leite dispara nos mercados de RO devido à estiagem e aumento no consumo durante a pandemia – Rondonia News

Deixe seu comentário

Agronegócio

Festival Tambaqui da Amazônia acontece em 10 municípios de Rondônia

Publicado

em

Por

Ao todo serão assadas 4.600 bandas de tambaqui sem espinhas

O Festival Tambaqui da Amazônia de 2020, evento tradicionalmente realizado em Ariquemes, desde 2017, ocorrerá em 10 municípios de Rondônia, simultaneamente, no dia 27 de setembro. Ao todo serão assadas 4.600 bandas de tambaqui sem espinhas, mais de seis mil quilos do pescado doado pelos piscicultores e processado pelas indústrias. Os rondonienses terão a oportunidade de adquirir e saborear do peixe mais consumido e produzido no Estado por um custo acessível.

O festival é uma iniciativa da Associação de Criadores de Peixe do Estado de Rondônia (Acripar) e do Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) e Entidade de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), em parceria com Zaltana Pescados e Rações, Pescado do Vale, Agroindústria Rodrigues, Piscicultura Agrofish, Hospital do Amor, Lions Clube e Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR).

Os municípios realizadores do festival são: Ariquemes, Pimenta Bueno, Rolim de Moura, Cacoal, Monte Negro, Porto Velho, Triunfo, Itapuã, Ouro Preto d’Oeste e Vilhena. Em decorrência do avanço do coronavírus (Covid-19), o maior churrasco de tambaqui da Amazônia ocorrerá na versão drive-thru, com o intuito de prevenir e evitar a disseminação da doença. A população vai poder fazer a retirada do pescado assado dentro do carro, evitando fila e o contato físico.

A banda será vendida no valor de R$ 15 e todo o valor arrecadado com as vendas será repassado paras as instituições: Lions Clube e Hospital de Amor da Amazônia. Os tickets serão vendidos antecipadamente para a retirada no dia do festival, e os interessados em adquirir uma banda, devem procurar os comitês organizadores de cada município.

Em Porto Velho, serão assadas 300 bandas de tambaqui. Os tickets já estão disponíveis e podem ser comprados na sede da Seagri, localizada no prédio Jamari do Palácio Rio Madeira e na Emater. A população poderá fazer a retirada do pescado na feirinha da Emater, localizada na avenida Imigrantes, 1313, próximo à avenida Farquar, na zona norte da capital.

De acordo com o secretário da Seagri, Evandro Padovani, o objetivo do festival é promover e divulgar o tambaqui no Estado para sensibilizar os rondonienses a consumirem mais o peixe. “Rondônia é o maior produtor de peixe nativo de cativeiro do Brasil, mas o consumo per capta de peixe pelos rondonienses ainda é muito baixo perto de outros estados do país. Queremos incentivar o consumo do pescado dentro do Estado. O tambaqui é um peixe muito saboroso, de qualidade e com alto potencial para ganhar novos mercados”, disse.

O intuito do Governo de Rondônia e parceiros é ampliar o número de municípios participantes nos próximos anos. De acordo com o anuário Peixe BR 2019, a produção de peixes em cativeiro em Rondônia foi de aproximadamente 90 mil toneladas.


Fonte
Texto: Sara Cicera
Fotos: Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Agronegócio

CNA projeta novo recorde para agropecuária e alta de 13,7% em 2020

Publicado

em

Por

De acordo com o órgão, a previsão é de que um novo recorde seja alcançado neste ano, com alta de 13,7% em relação a 2019.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou a nova projeção do Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária para 2020. De acordo com o órgão, a previsão é de que um novo recorde seja alcançado neste ano, com alta de 13,7% em relação a 2019.

A expectativa, realizada em cima de dados de preços e produção disponíveis até agosto deste ano, é de que a receita ultrapasse R$ 823 bilhões no período. VBP agrícola deve crescer 18%, avisa CNA

Ao dividirmos o Valor Bruto da Produção entre agrícola e pecuária, temos a seguinte situação:

Em relação ao VBP agrícola, a projeção da entidade é de uma alta aproximada de 18% em 2020, com receita bruta de R$ 531,6 bilhões.

O “carro-chefe” da produção agrícola, mais uma vez deverá ser pilotado pela soja, que tem produção recorde prevista, com receita estimada em R$ 218 bilhões, 23,8% acima do alcançado em 2019.

Na cola da soja aparecem arroz, café arábica e trigo, com altas de receita projetadas de 33,9%, 51% e 59%, e com crescimento de produção estimado, pela ordem, em 6,7%, 30% e 32%.

Alta da pecuária será menor

O VBP da pecuária pode ter alta de 6,6% e atingir receita de R$ 291,7 bilhões, conforme os cálculos divulgados pela CNA.

A entidade avaliou que o acréscimo de cerca de R$ 17,9 bilhões no faturamento da atividade está atrelado ao aumento nos preços da carne bovina e às maiores cotações e produção de ovos e suínos.

Ao falar especificamente sobre a carne bovina, o relatório citou a oferta restrita de animais para o abate como o fator que levará a uma retração de cerca de 3,6% na produção em 2020.

“Apesar do bom resultado da pecuária, o faturamento bruto das atividades de frango e de leite deve apresentar queda de 3,7% e 4,3%, respectivamente”, informou a CNA, complementando o comunicado à imprensa.

Por Paulo Amaral  

Fonte: Rondrural

Continue lendo

Agronegócio

Rondônia colhe quase 1 milhão de toneladas de milho na safra 2020, diz governo

Publicado

em

Por

Produção cresceu 25% de 2018 para 2019. Em comparação com levantamento da Conab, passa de um milhão de toneladas do grão coletados na safra 2019/2020.

Rondônia colhe 954,2 mil toneladas de milho na safra 2020. — Foto: Aprosoja-MS/Divulgação

Rondônia colheu 954,2 mil toneladas de milho na safra 2019/2020, o que o classifica como o segundo maior produtor do Norte. O governo do Estado revela que o grão para a região é o segundo produto agrícola que tem o maior Valor Bruto de Produção (VBP), com estimativa de R$ 855 milhões. A produção do milho no estado cresceu 25% de 2018 para 2019, ainda conforme o executivo.

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidades

--Publicidade--
--Publicidade--

Tendências

Copyright © 2020 Portal de Notícias Floresta Notícias. Todos Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: