conecte-se conosco

Destaques

Em discurso na ONU, Bolsonaro destaca riqueza da Amazônia

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (24) que a Organização das Nações Unidas (ONU) não pode aceitar a volta do colonialismo e defendeu a soberania brasileira na Amazônia. Durante seu discurso na abertura da 74ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York, nos Estados Unidos, Bolsonaro reafirmou o compromisso do país com a preservação do meio ambiente e com o desenvolvimento sustentável da região.

“O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade e riquezas minerais, nossa Amazônia é maior que toda Europa Ocidental e permanece praticamente intocada, prova de que somos um dos países que mais protege o meio ambiente”, disse ele aos chefes de Estado.

Cerca de 14% do território brasileiro é demarcado como terras indígenas e Bolsonaro destacou que não pretende demarcar novos territórios. “Quero deixar claro: o Brasil não vai aumentar para 20% sua área já demarcada como terra indígena, como alguns chefes de Estados gostariam que acontecesse”, afirmou. “O índio não quer ser latifundiário pobre em cima de terras ricas. Especialmente das terras mais ricas do mundo. É o caso das reservas Ianomâmi e Raposa Serra do Sol. Nessas reservas, existe grande abundância de ouro, diamante, urânio, nióbio e terras raras, entre outros”, disse, destacando que o Brasil usa 8% de seu território para produção de alimentos.

O presidente brasileiro defendeu uma política de tolerância zero com a criminalidade, incluindo os crimes ambientais, e ressaltou que os incêndios que vem ocorrendo na Amazônia nos últimos meses são característicos dessa época do ano, de seca e ventos. Bolsonaro criticou a mídia internacional pela repercussão negativa que as queimadas tiveram pelo mundo e a possibilidade de os países aplicarem sanções econômicas ao Brasil.

“É uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade e um equívoco, como atestam os cientistas, afirmar que a nossa floresta é o pulmão do mundo. Valendo-se dessas falácias, um ou outro país, em vez de ajudar, embarcou nas mentiras da mídia e se portou de forma desrespeitosa, com espírito colonialista. Questionaram aquilo que nos é mais sagrado: a nossa soberania!”, disse.

Bolsonaro leu uma carta que, segundo ele, foi encaminhada aos chefes de Estado por um grupo de agricultores indígenas do Brasil, formado por 52 etnias que habitam uma área de mais de 30 milhões de hectares no território brasileiro. Na carta, eles apoiam a representação da indígena Ysani Kalapalo, moradora de uma aldeia no Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso, que integra a delegação brasileira na Assembleia Geral da ONU.

“Existem, no Brasil, 225 povos indígenas, além de referências de 70 tribos vivendo em locais isolados. Cada povo ou tribo com seu cacique, sua cultura, suas tradições, seus costumes e principalmente sua forma de ver o mundo. A visão de um líder indígena não representa a de todos os índios brasileiros”, disse Bolsonaro, argumentando que, muitas vezes, alguns desses líderes, como o cacique Raoni, são “usados como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia”.

Raoni Metuktire é um líder indígena brasileiro da etnia caiapó, conhecido internacionalmente por sua atuação na Amazônia. “Isso demonstra que os que nos atacam não estão preocupados com os índios, mas sim com as riquezas minerais e biodiversidade existentes nessa área”, ressaltou. “Acabou o monopólio do Senhor Raoni. A Organização das Nações Unidas teve papel fundamental na superação do colonialismo e não pode aceitar que essa mentalidade regresse a estas salas e corredores, sob qualquer pretexto.”

Bolsonaro disse ainda que qualquer iniciativa de ajuda ou apoio à preservação da floresta amazônica ou de outros biomas deve ser tratada com pleno respeito à soberania brasileira e que busca parcerias para agregar valor de forma sustentável às riquezas brasileiras. O presidente também rechaçou as tentativas de instrumentalizar a questão ambiental ou a política indigenista em prol de interesses políticos e econômicos externos, “em especial os disfarçados de boas intenções”.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Destaques

Urgente: Itália tem toque de recolher por coronavírus e cresce alerta global

Publicado

em

Por

O país decretou toque de recolher em 11 municípios em que casos de coronavírus foram confirmados

Foto: AFP

Os alertas mundiais sobre coronavírus entraram em um novo patamar nas últimas 48 horas, com mais relatos fora da China, toques de recolher e fechamento de fronteira. “O Covid-19 (nome técnico do novo coronavírus) já põe em risco a economia mundial”, disse no domingo Kristalina Georgieva, chefe do Fundo Monetário Internacional, na reunião do G-20.

O presidente chinês, Xi Jinping, admitiu que o país vive sua maior crise sanitária desde 1949, quando se iniciou o regime comunista, e considerou que houve “deficiências” no combate inicial. O vírus, relatado no fim de dezembro em Wuhan, já causou 2.445 mortes e contaminou 78 mil.

No entanto, o ritmo de avanço nos relatos diminuiu na China – e passou a preocupar mais em outros países. A Coreia do Sul, com 602 casos de contágio, é quem mais preocupa. E o presidente, Moon Jae-in, considera que os “próximos dias serão essenciais para o controle”.

Além disso, frente à multiplicação de casos no Irã, que já teve 8 mortes, Turquia, Jordânia, Paquistão e Afeganistão fecharam fronteiras e restringiram suas viagens.

A Itália decretou toque de recolher em 11 municípios em que casos de coronavírus foram confirmados – afetando cerca de 60 mil pessoas.

O famoso carnaval de Veneza foi cancelado na tentativa de impedir a propagação do vírus. O número de diagnosticados com coronavírus no país é de 152 – foram reladas três mortes.

Autoridades da região norte, onde se concentram os casos, decidiram fechar escolas, museus, teatros, cinemas. Até mesmo a catedral de Milão – o célebre Duomo – foi fechada.

França, Suíça e Áustria informaram estar em alerta com a situação no país vizinho. O ministro da Saúde francês, Olivier Veran, considera “muito provável” que surjam mais casos no país.

Futuro

Um estudo do Imperial College de Londres, recém-divulgado, estima que “dois terços dos infectados com o coronavírus na China não foram detectados antes de deixar o país”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), por sua vez, passou a ver “com cuidado” relatos envolvendo pessoas que não estiveram na China. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Gostou do conteúdo que você acessou? Quer saber mais? Faça parte do nosso grupo de notícias!
Para fazer parte acesse o link para entrar no grupo do WhatsApp:

 Fonte: Isto É

Continue lendo

Destaques

Tempo: Linha 47,5 sentido Gease Já está interditada em Alta Floresta D´Oeste Ro

Publicado

em

Devido a muita chuva que caiu durante toda madrugada em Alta Floresta Varias linhas do município estão enfrentando grandes diculdades, inclusive a linha 47,5 sentido gease já se encontra interditada.

Confira as Imagens enviadas para nossa redação de moradores.

Poço da Espuma gease Alta Floresta

Posted by Floresta Noticias on Saturday, February 22, 2020

Fonte: Florestanoticias.com

Continue lendo

Destaques

Rondônia recebe do governo federal equipamento de alta tecnologia para tratamento oncológico

Publicado

em

Por

Novo equipamento torna Rondônia autossuficiente na demanda de radioterapia e faz estado avançar em tratamento oncológico na Amazônia

Um diagnóstico difícil de aceitar, o câncer, seja de qual tipo for, a doença assusta. Mas em Rondônia, os pacientes estão cada vez mais confiantes na cura desse mal através do investimentos em profissionais especializados e tecnologias. Na manhã desta quinta-feira (20) um acelerador linear usado para radioterapia foi entregue para o tratamento de pacientes no Estado, onde funciona um hospital de primeiro mundo na Amazônia.

O equipamento de alta tecnologia é um investimento do Ministério da Saúde e faz parte do Plano de Expansão da Radioterapia do governo federal. O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, agradeceu ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pela sensibilidade de destinar o equipamento ao estado de Rondônia e assim contribuir para o tratamento humanizado.

”Quando a gente vê um hospital como esse limpo, tratando as pessoas com respeito, médicos empolgados, onde se tem diagnóstico adequado, então a gente precisa fazer de tudo para dar o atendimento adequado, e como governador do Estado, temos trabalhado em várias áreas, inclusive essa. Vamos fazer tudo que é possível e buscar em Deus, o impossível, e é um sonho ver esse serviço aprimorado, e com um número menor de pessoas que precisem desse atendimento no Estado. Vi aqui pessoas ainda que acometidas por doenças, sorridentes, e é esse ânimo e vontade de viver que nos dar mais vontade de trabalhar com dedicação”, disse Marcos Rocha, que visitou as alas do hospital.

Governador Marcos Rocha, reforça compromisso em garantir que Rondônia seja referência em tratamento oncológico humanizado

O acelerador está instalado no Hospital do Amor da Amazônia, em Porto Velho, e segundo, o presidente da Fundação Pio XII, Henrique Prata, responsável pelo hospital, faz parte da última geração de equipamentos de radioterapia. Ao contrário de outros equipamentos, esse só emite radiação quando está em funcionamento, e fica localizado numa sala com paredes de dois metros de espessura, ou seja, um local de alta blindagem e seguro.
‘‘O Estado tem um hospital que oferece todo o tratamento para oncologia, e agora passa a ter dois aparelhos de alta tecnologia para radioterapia, cada Estado tem no máximo um. Vamos dar a população o mesmo tratamento que é feito nos Estados Unidos e em São Paulo, por exemplo’’, afirma Henrique Prata.

Segundo ele, com um equipamento o hospital atendia 70 pessoas por dia, mas ainda tinha uma demanda de pacientes que precisavam se deslocar para Barretos (SP), e agora a estimativa é que mais 70 pacientes sejam atendidos com o novo equipamento.‘‘Rondônia passa a ser autossuficiente para toda demanda de paciente em tratamento de radioterapia. Com a chegada desse novo equipamento, atende não só todo o Estado, mas também está absorvendo cerca de 80% da demanda do Acre, 90% da demanda de Roraima, e 90% do Amapá’’, afirma Henrique Prata.

O Hospital do Amor oferece gratuitamente atendimento à população, e se mantém de portas abertas através de repasses de recurso do governo federal e governo de Rondônia. ‘‘Agradeço ao governador Marcos Rocha, essa ação permite que pacientes de todos os Estados se tratem aqui, apesar do recurso sair apenas do governo de Rondônia, pois metade é da União, outra metade do governo do Estado. O governador está sendo um herói de abraçar o cuidado da Amazônia inteira no seu Estado’’, destacou Henrique Prata.

Na solenidade de inauguração da nova sala de radioterapia, governador Marcos Rocha, destacou que mais R$ 4 milhões serão investidos no Hospital do Amor, com recurso exclusivo da economia feita pela Assembleia Legislativa e agradeceu o trabalho alinhado

O governo de Rondônia com complementação do governo federal já investiu quase R$ 47 milhões em repasses para o Hospital do Amor, nesta gestão. ‘‘Nós temos a oportunidade de fazer o melhor que podemos para todos, e temos que permitir a vinda de pacientes de outros Estados, porque no passado Rondônia encaminhava para outros Estados. Mas hoje estamos trabalhando para fortalecer essa área e para que tenhamos todo suporte necessário para fazer o atendimento no Estado’’, garante o governador.

”Nós só temos que agradecer essa parceria com o Hospital do Amor porque nosso objetivo comum é atender bem a nossa população, dar um atendimento digno, humanizado, de primeira qualidade. Nós reconhecemos como o recurso repassado pelo governo é bem investido aqui. São cirurgias de primeira, radioterapia de primeira, e a Secretaria de Saúde quer estreitar mais essa parceria porque quem ganha é a população com esse hospital que vários estados do país gostariam de ter, devido a qualidade”, afirma o secretário de Saúde, Fenando Máximo.

O Executivo também repassará R$ 4 milhões ao hospital, recurso exclusivo da economia feita pela Assembleia Legislativa (ALE). Esse montante faz parte de um valor total de R$ 30 milhões que a ALE devolverá para o governo, e este, investirá em políticas públicas para a sociedade rondoniense. ”Nós temos a missão de não deixar esse hospital deixar de funcionar”, considerou o presidente da ALE, deputado estadual Laerte Gomes. A solenidade também contou com a presença de parlamentares, a exemplo, da deputada federal, Silvia Cristina que anunciou investimentos para avançar na prevenção e tratamento de oncologia em Rondônia.

Fonte
Texto: Vanessa Moura
Fotos: Ésio Mendes
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Publicidades

Tendências

%d blogueiros gostam disto: