conecte-se conosco

Destaques

Governo de Rondônia intensifica ações de combate às queimadas

Publicado

em

Depósito de material reciclável foi consumido parcialmente pelo fogo

Em razão do aumento de focos de calor registrados no Estado de Rondônia, o Corpo de Bombeiros Militar  esclarece que dados extraídos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais  (INPE), comprovam um aumento de 160% no número de focos, neste período, em relação a 2018. A dinâmica relacionada aos incêndios florestais e queimadas não autorizadas, são extremamente complexa e está relacionada ao desmatamento e ao uso do fogo sem controle pelas comunidades.

O governador do Estado, coronel Marcos Rocha tem dado apoio necessário as ações do Corpo de Bombeiros Militar diretamente voltadas ao combate a estes sinistros, que em sua maioria, são queimadas não autorizadas pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam).

As queimadas autorizadas pela Sedam são estabelecidas na Portaria n° 229/2017, disponível no site da secretaria e estabelece critérios para o uso do fogo na área rural.

De forma geral o Corpo de Bombeiros orienta a população que, ao obter autorização para o uso do fogo na área rural observe várias orientações, como informando aos vizinhos, com antecedência sobre data e hora da queima.

De acordo com coronel BM Demargli da Costa Farias, comandante geral do Corpo de Bombeiros de Rondônia, orienta que deve ser feito aceiro com largura mínima de três metros em volta do perímetro queimado, o enleiramento dos resíduos de vegetação para limitar a ação do fogo e, ainda não realizar queimadas às margens de estradas; queima sempre contra o vento; – não iniciar a queima se a temperatura estiver acima de 30° C; – não iniciar a queima se com ventos superiores a 30 km/h; – não iniciar a queima se a umidade relativa do ar estiver abaixo de 30%. Queimadas não autorizadas pela Sedam se constituem em crime ambiental, passíveis de multa de R$ 1.000,00 por hectare. Queimadas de entulhos ou lixo na área urbana é crime ambiental.
Ocorrências registradas.

O Corpo de Bombeiros Militar já atendeu mais de 900 ocorrências de incêndio em vegetação nos últimos 60 dias, com atuação até em municípios que não possuem unidade operacional da corporação. Além de atuar nos 15 municípios com Unidades Operacionais do Corpo de Bombeiros, a corporação em parceria com a Secretaria Municipal de Integração de Porto Velho, implantará a partir de 19 de agosto a Brigada de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no distrito de União Bandeirantes, cuja região é responsável por 8% dos focos de calor do estado.

Já foram tomadas as medidas necessárias junto ao governo do Estado para liberação de recursos financeiros a fim de custear tais operações, voos de monitoramento e de transporte de brigadas de combate a incêndio florestal. Também foi firmada parceria com o PrevFogo/IBAMA para atuação conjunta em sinistros que fujam à capacidade de atuação da corporação. Em incêndios de maiores proporções, como ocorrido na região de Pimenta Bueno e Nova União, de acordo com o coronel BM Farias foram formadas Equipes de Força Tarefa para atuar nesses locais.

Instrutores do Corpo de Bombeiros mostram os perigos das queimadas

“Estamos atuando com capacidade e equipamentos disponíveis para combater os incêndios florestais e queimadas não autorizadas, de modo a reduzir o dano ambiental e o lançamento de gases na atmosfera que causam enormes prejuízos à saúde pública. Precisamos da colaboração da população para evitar queimadas que já estão trazendo prejuízos à saúde e bem estar de todos”, Afirmou Demargli Farias.

QUEIMADAS NÃO AUTORIZADAS

A Sedam vem trabalhando nas ações de fiscalização, atuando na prevenção e reprimindo as queimadas, não autorizadas, e outros crimes ambientais com as devidas autuações imputando, nos casos concretos, multa aos infratores. O governador coronel Marcos Rocha determinou a Sedam e ao Corpo de Bombeiros, a tomada de providências dentro de suas atribuições legais e um trabalho forte na prevenção, para que o crime ambiental não aconteça.

A Coordenadoria de Educação Ambiental trabalha seguindo as diretrizes traçadas na política de educação ambiental, conforme a lei 9795/1999 em parceria com a secretaria de Educação, e outros órgãos e entidades afins. Segundo o secretário Elias Rezende, com objetivo de orientar e prevenir, foram feitas atividades junto aos alunos nas escolas, com os universitários. “Estamos indo além, com uma educação ambiental mais ativa e próxima da população que precisa de seus serviços, chegando à associações, ao pequeno produtor rural, ao setor empresarial, a colônia de pescadores entre outros segmentos, levando orientações essenciais para que essas pessoas possam produzir com mais facilidade e prevenindo e combatendo os crimes ambientais”, relatou.
O secretário  reforçou a importância da união de esforços nos trabalhos, principalmente durante o período de estiagem. Todos os atores institucionais têm papel essencial na prevenção e combate aos incêndios florestais. “Queremos ser esse ponto de apoio para colaborar e articular de modo que Rondônia se torne mais atrativo, com melhores condições de investimentos por meio da preservação ambiental”, frisou.

Para denúncias de queimadas não autorizadas ligue: 0800 647 1150. Em caso de emergências e iminente risco ligue: 193

Fonte
Texto: Lenilson Guedes
Fotos: Paulo Sérgio, Frank Nery e arquivo Secom
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Destaques

Rondônia recebe do governo federal equipamento de alta tecnologia para tratamento oncológico

Publicado

em

Por

Novo equipamento torna Rondônia autossuficiente na demanda de radioterapia e faz estado avançar em tratamento oncológico na Amazônia

Um diagnóstico difícil de aceitar, o câncer, seja de qual tipo for, a doença assusta. Mas em Rondônia, os pacientes estão cada vez mais confiantes na cura desse mal através do investimentos em profissionais especializados e tecnologias. Na manhã desta quinta-feira (20) um acelerador linear usado para radioterapia foi entregue para o tratamento de pacientes no Estado, onde funciona um hospital de primeiro mundo na Amazônia.

O equipamento de alta tecnologia é um investimento do Ministério da Saúde e faz parte do Plano de Expansão da Radioterapia do governo federal. O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, agradeceu ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pela sensibilidade de destinar o equipamento ao estado de Rondônia e assim contribuir para o tratamento humanizado.

”Quando a gente vê um hospital como esse limpo, tratando as pessoas com respeito, médicos empolgados, onde se tem diagnóstico adequado, então a gente precisa fazer de tudo para dar o atendimento adequado, e como governador do Estado, temos trabalhado em várias áreas, inclusive essa. Vamos fazer tudo que é possível e buscar em Deus, o impossível, e é um sonho ver esse serviço aprimorado, e com um número menor de pessoas que precisem desse atendimento no Estado. Vi aqui pessoas ainda que acometidas por doenças, sorridentes, e é esse ânimo e vontade de viver que nos dar mais vontade de trabalhar com dedicação”, disse Marcos Rocha, que visitou as alas do hospital.

Governador Marcos Rocha, reforça compromisso em garantir que Rondônia seja referência em tratamento oncológico humanizado

O acelerador está instalado no Hospital do Amor da Amazônia, em Porto Velho, e segundo, o presidente da Fundação Pio XII, Henrique Prata, responsável pelo hospital, faz parte da última geração de equipamentos de radioterapia. Ao contrário de outros equipamentos, esse só emite radiação quando está em funcionamento, e fica localizado numa sala com paredes de dois metros de espessura, ou seja, um local de alta blindagem e seguro.
‘‘O Estado tem um hospital que oferece todo o tratamento para oncologia, e agora passa a ter dois aparelhos de alta tecnologia para radioterapia, cada Estado tem no máximo um. Vamos dar a população o mesmo tratamento que é feito nos Estados Unidos e em São Paulo, por exemplo’’, afirma Henrique Prata.

Segundo ele, com um equipamento o hospital atendia 70 pessoas por dia, mas ainda tinha uma demanda de pacientes que precisavam se deslocar para Barretos (SP), e agora a estimativa é que mais 70 pacientes sejam atendidos com o novo equipamento.‘‘Rondônia passa a ser autossuficiente para toda demanda de paciente em tratamento de radioterapia. Com a chegada desse novo equipamento, atende não só todo o Estado, mas também está absorvendo cerca de 80% da demanda do Acre, 90% da demanda de Roraima, e 90% do Amapá’’, afirma Henrique Prata.

O Hospital do Amor oferece gratuitamente atendimento à população, e se mantém de portas abertas através de repasses de recurso do governo federal e governo de Rondônia. ‘‘Agradeço ao governador Marcos Rocha, essa ação permite que pacientes de todos os Estados se tratem aqui, apesar do recurso sair apenas do governo de Rondônia, pois metade é da União, outra metade do governo do Estado. O governador está sendo um herói de abraçar o cuidado da Amazônia inteira no seu Estado’’, destacou Henrique Prata.

Na solenidade de inauguração da nova sala de radioterapia, governador Marcos Rocha, destacou que mais R$ 4 milhões serão investidos no Hospital do Amor, com recurso exclusivo da economia feita pela Assembleia Legislativa e agradeceu o trabalho alinhado

O governo de Rondônia com complementação do governo federal já investiu quase R$ 47 milhões em repasses para o Hospital do Amor, nesta gestão. ‘‘Nós temos a oportunidade de fazer o melhor que podemos para todos, e temos que permitir a vinda de pacientes de outros Estados, porque no passado Rondônia encaminhava para outros Estados. Mas hoje estamos trabalhando para fortalecer essa área e para que tenhamos todo suporte necessário para fazer o atendimento no Estado’’, garante o governador.

”Nós só temos que agradecer essa parceria com o Hospital do Amor porque nosso objetivo comum é atender bem a nossa população, dar um atendimento digno, humanizado, de primeira qualidade. Nós reconhecemos como o recurso repassado pelo governo é bem investido aqui. São cirurgias de primeira, radioterapia de primeira, e a Secretaria de Saúde quer estreitar mais essa parceria porque quem ganha é a população com esse hospital que vários estados do país gostariam de ter, devido a qualidade”, afirma o secretário de Saúde, Fenando Máximo.

O Executivo também repassará R$ 4 milhões ao hospital, recurso exclusivo da economia feita pela Assembleia Legislativa (ALE). Esse montante faz parte de um valor total de R$ 30 milhões que a ALE devolverá para o governo, e este, investirá em políticas públicas para a sociedade rondoniense. ”Nós temos a missão de não deixar esse hospital deixar de funcionar”, considerou o presidente da ALE, deputado estadual Laerte Gomes. A solenidade também contou com a presença de parlamentares, a exemplo, da deputada federal, Silvia Cristina que anunciou investimentos para avançar na prevenção e tratamento de oncologia em Rondônia.

Fonte
Texto: Vanessa Moura
Fotos: Ésio Mendes
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Destaques

Ipva atrasado? Seu carro não pode ser apreendido por isso veja

Publicado

em

Por

Quem nunca deixou um boleto atrasar que atire a primeira pedra! Às vezes imprevistos acontecem e para se reorganizar novamente, pode levar um tempo. Mas alguns atrasos nos deixam preocupados, como por exemplo, o pagamento do IPVA.

Mas calma, estamos aqui para esclarecer essa situação.

A Lei Estadual nº 4.462 decreta a proibição de apreensão e remoção de veículos por atrasos no pagamento de IPVA, taxas e multas.

E não é só isso. Também fica proibido aplicar penalidade, caso o seu veículo esteja com multa atrasada e outros tipos de taxas.

É válido lembrar que a apreensão pode acontecer, mas apenas com um mandado judicial.

Se não pode prender o meu veículo, o que a autoridade Estadual de trânsito pode fazer? 

É permitido aplicar uma notificação ou advertência ao motorista que aparecer inadimplente no sistema.Leia esta norma na íntegra e veja todos os detalhes da lei neste link: https://bit.ly/35yXA13

Veja a Lei sancionada neste link https://bit.ly/36I87sj

Continue lendo

Destaques

Brasil estuda construir usina hidrelétrica binacional em Guajará-Mirim

Publicado

em

Por

Diretor de Itaipu disse que obra seria feita no Rio Mamoré

Foto: Nilton Rolin/Itaipu

O Brasil estuda construir uma usina hidrelétrica binacional com a Bolívia. O projeto seria no Rio Mamoré, acima do município de Guajará-Mirim (RO), contando com experiência e investimentos de Itaipu. A possibilidade foi comentada nesta sexta-feira (14) pelo diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, durante solenidade de comemoração da geração recorde de 2,7 bilhões de megaWatts/hora (MW/h) produzidos desde o início de sua operação, em 1984.

“Ela [a nova usina] vai ser necessária. Itaipu pode servir de referência, inclusive de relações [internacionais], que é uma construção de longo prazo. Itaipu pode ajudar muito se for tomada essa decisão. A previsão é que sejam duas hidrelétricas, de 5 mil MW a 6 mil MW [no total]. O Brasil precisa de energia segura. A engenharia diplomática para fazer uma construção dessas não é pequena. É tão complexa quanto é a engenharia para fazer a obra”, disse Silva e Luna.

Em termos de comparação, Itaipu tem potência de 14 mil MW. Segundo o general, Itaipu poderia ser o agente brasileiro na futura usina binacional com a Bolívia. “Se houver isso aí, Itaipu tem muito a contribuir. Na hora em que for decidido, estamos prontos. A programação financeira seria a parte menos complexa a se fazer. Havendo essa demanda, Itaipu está em condições de se debruçar sobre essa hipótese. A interconexão energética do continente é irreversível. É questão de tempo”, disse Silva e Luna.

Dentro de três anos, Itaipu terá quitada a dívida para a construção da usina, o que vai liberar cerca de US$ 2 bilhões por ano, metade para o Paraguai e metade para o Brasil, que passará a contar com US$ 1 bilhão para investimentos, cerca de R$ 4,3 bilhões. O dinheiro, segundo o general, poderia ser aplicado na construção da usina binacional, se for o caso, ou em melhorias na usina de Itaipu.

Custo

O diretor-técnico executivo de Itaipu, Celso Villar Torino, estimou em cerca de US$ 5 bilhões o valor de construção da usina binacional com a Bolívia, tomando-se em conta o valor das grandes usinas recentes.

“Teria que fazer uma análise detalhada do local, mas as grandes usinas, como referência, custaram cerca de US$ 5 bilhões. O Brasil tem mercado crescente [de energia]. Uma hidrelétrica de 5 mil MW a 6 mil MW, não há dúvida, que o país tem mercado para absorver”, disse Torino. Segundo ele, a conexão da futura usina poderia ser feita utilizando a linha das usinas de Jirau e Santo Antônio, ou construindo outras linhas de transmissão.

Anexo C

Em 2023, haverá a revisão do Anexo C do Tratado de Itaipu, de abril de 1973, que trata das bases de comercialização da energia gerada pela hidrelétrica. Atualmente, o Paraguai é obrigado a vender para o Brasil a parte de sua produção que não consome. A energia de Itaipu abastece 85% da demanda paraguaia, vendendo para o Brasil 35% do total da produção paraguaia.

De acordo com o general Silva e Luna, a questão está sendo bem conduzida e não deverá causar maiores problemas: “Teremos um grupo de trabalho único binacional. Se chega [a um consenso] através de conversa, diálogo, convencimento. Eu vejo isto com total otimismo”.

Outro assunto abordado foi o possível aumento do nível do reservatório, em um metro de altura, a fim de conferir maior estabilidade e potência. A obra custará cerca de R$ 4 milhões e não deverá causar impacto ambiental de alagamento além das terras da própria usina. Além disso, haverá, a partir do segundo semestre deste ano, a modernização de cada uma das 20 unidades geradoras onde ficam as turbinas, a um custo de US$ 700 milhões.

Cada unidade é responsável pela geração aproximada de 5% do total e deverá ficar parada até seis meses. No total, o processo vai durar 14 anos e será feita uma licitação internacional para a realização da modernização.

Recorde

A produção recorde de 2,7 bilhões de MWh, atingida nesta sexta-feira coloca Itaipu como a maior usina hidrelétrica do mundo em produção, superando até a gigantesca usina chinesa de Três Gargantas. O feito foi comemorado pelos diretores e funcionários da usina em solenidade que reuniu brasileiros e paraguaios.

O diretor-geral paraguaio de Itaipu, Ernst Bergen, destacou a colaboração de todos os funcionários da usina para o atingimento da meta. “Refletindo sobre o passado e olhando adiante, os paraguaios e brasileiros, como países-irmãos, têm sido capazes de construir uma hidroelétrica que hoje é a número um no mundo em produção de energia acumulada, a número um em produção de energia por ano, a número um em eficiência”, disse Bergen.

Silva e Luna também salientou a parceria entre os países para os resultados da usina: “Este potencial está colocado à nossa disposição, em proveito do desenvolvimento e bem estar de nossos povos. É um aprendizado contínuo, que une cada vez mais o Brasil e o Paraguai. Olhando para o futuro, vamos preparar nossa empresa para chegar em 2023 em condições de tratar dos novos arranjos financeiros do tratado, podendo trazer ainda mais benefícios para os nossos povos”.

Gostou do conteúdo que você acessou? Quer saber mais? Faça parte do nosso grupo de notícias!
Para fazer parte acesse o link para entrar no grupo do WhatsApp:

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Publicidades

Tendências

%d blogueiros gostam disto: