fbpx
Conecte-se conosco

Agronegócio

A tecnologia de aplicação na proteção dos polinizadores

Publicado

em

O final do inverno, no mês de setembro, marca o início dos preparativos para uma nova safra agrícola em boa parte do Brasil. Essa preparação inclui, com destaque, algumas atividades, como o manejo da vegetação – geralmente composta por plantas daninhas (que nascem espontaneamente) ou pelas chamadas “culturas de cobertura”, que ocupam as áreas nas quais serão semeadas novas lavouras, como as de soja e milho.

Em alguns casos, os agricultores realizam na mesma operação a adição de algum produto com ação inseticida, visando o controle de pragas que possam estar previamente na área, como lagartas e percevejos. Entretanto, durante esse processo, o agricultor deve estar ciente da importância da proteção dos polinizadores, que são insetos benéficos.

Em uma pesquisa exploratória, conduzida pela AgroEfetiva em parceria com o programa Colmeia Viva – do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) – e a HP AgroConsultoria, abrangendo diversas culturas e propriedades rurais, foram identificadas práticas que garantem a coexistência e a complementaridade entre a agricultura e a apicultura.

 

Clique aqui para baixar a imagem.

Uma das soluções que ganham destaque no Brasil e no mundo é o controle biológico. O uso dessa tecnologia ajuda a atingir alvos específicos, sem prejudicar as abelhas. A utilização de inseticidas seletivos durante períodos de visitação das abelhas na cultura também é fundamental. Além disso, outra iniciativa positiva é a adoção da dessecação antecipada, estratégia que visa a aplicação de herbicidas antes do florescimento das plantas daninhas.

O tratamento de sementes também tem despontado como técnica importante. Nessa prática, inseticidas são aderidos à superfície das sementes que serão depositadas no solo. Isso protege as plantas das pragas nos estádios iniciais de desenvolvimento e, ao mesmo tempo, evita o contato com as abelhas. Ademais, o uso de cultivares transgênicas (como as chamadas “plantas Bt”), que possuem genes específicos com efeito apenas sobre lagartas que se alimentam dessas plantas, ajuda a proteger as abelhas, pois há redução da utilização de inseticidas.

Além das práticas discutidas anteriormente, mais ligadas ao MIP (Manejo Integrado de Pragas), a pesquisa identificou que as boas práticas apícolas são fundamentais para evitar a mortalidade de abelhas. Por exemplo, como durante o inverno as abelhas tendem a ficar mais debilitadas, podendo até haver morte de colônias, a suplementação alimentar e de água durante esse período mais frio do ano é fundamental. Nesse caso, o controle de pragas que acometem as colônias também deve ser feito, bem como a notificação de localização dos apiários, com o objetivo de ajudar no planejamento das operações. De forma geral, a profissionalização dos apicultores ajuda na preservação das abelhas, pois o manejo adequado resulta em colmeias fortes e saudáveis.

Por fim, aspectos ligados à tecnologia de aplicação também são fundamentais para a preservação das abelhas e a produção agrícola. Assim, é necessário evitar pulverizações no horário de visitação das abelhas, avaliar se o vento está na direção de apiários, comunicar o apicultor sobre as pulverizações para que ele possa adotar medidas adequadas e usar técnicas de redução de deriva (TRD) – como pontas de pulverização adequadas.

A complementaridade e a coexistência entre a agricultura e a apicultura representam a realidade do campo. Afinal, já existe ampla busca dos apicultores por áreas com plantas cultivadas (como citros) para instalação dos apiários, bem como a busca dos agricultores por serviços de polinização. Entretanto, essa ainda não é uma realidade bem estabelecida, especialmente nos casos de culturas beneficiadas ou não dependentes. A boa notícia é que já há conhecimento e técnicas disponíveis para ajudar nesse avanço, fundamental para o desenvolvimento sustentável, quantitativo e qualitativo das produções agrícola e apícola brasileiras. Mais do que uma necessidade, essa é uma exigência da sociedade.

¹ Engenheiro agrônomo, pesquisador na AgroEfetiva, Botucatu/SP

² Professor Titular do Dep.de Engenharia Rural, FCA/UNESP, Campus de Botucatu/SP

³ Zootecnista, HP Agroconsultoria, Maringá/PR

Por: Beatriz Pedrini
Texto Comunicação

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Suplementação nutricional na maternidade promove ganho de peso dos suínos

Publicado

em

Durante as seis primeiras semanas de vida do leitão, ambiente e a nutrição vão contribuir de forma decisiva para se obter a máxima relação custo-benefício na atividade

“Estudos mostram que na produção animal apenas 60% do potencial genético são aproveitados. A boa notícia é que dispomos de ferramentas nutricionais que contribuem para o aumento desse percentual em pelo menos 20%, na média”, explica Ednilson Araújo, técnico da Trouw Nutrition.

Segundo Araújo, tudo começa com o desenvolvimento da microbiota dos recém-nascidos, a partir da ingestão de nutrientes pela matriz, processo importante para garantir a integridade intestinal e formação de um sistema imune robusto. “As seis semanas iniciais são fundamentais para o desenvolvimento do animal e o suinocultor precisa associar manejo e nutrição que proporcionem maior ganho de peso na saída da creche. Quando conseguimos melhorar o peso aos 14 dias após o desmame, a conversão alimentar será beneficiada na vida adulta até o abate”, destaca o técnico. Ele alerta que o aumento da leitegada é um ganho da evolução genética. Porém, a partir desta maior produção surge um novo desafio: a falta de homogeneidade do lote e a produção de leite insuficiente para atender às necessidades nutricionais de todos os leitões. É aí que entra a nutrição de qualidade.

O especialista da Trouw Nutrition informa que ao respeitar o número de tetos, o suinocultor pode desmamar mais leitões com a porca Mãe (chamados “leitões ao pé”), reduzindo as tranferências de leitões subnutridos. “Desta forma, conseguimos melhorar O GPD (ganho de peso diário), reduzir incidência de diarréias, mortes, evitar formação excessiva de “mães de leite”, além de melhorar a homogenidade do lote ao desmame e também aos 14 dias após o desmame . O produtor deve dar preferência à suplementação dos leitões, levando em consideração as particularidades do seu metabolismo em fase de desenvolvimento”.

As matrizes suínas com grandes leitegadas não conseguem produzir leite suficiente para atender toda a exigência nutricional, esta que por sua vez será responsável para o máximo potencial genético de todos os leitões. Neste caso, a suplementação nutricional não substitui o leite materno, mas permite complementar a alimentação dos leitões que não ficaram totalmente saciados, reduzindo também o risco de mortes por esmagamento e evitando excesso de transferências.

A suplementação nutricional deve levar em consideração o aumento do consumo de matéria seca na maternidade e o preparo do sistema digestivo que possibilite uma transição suave para o consumo de ração na creche. “Os suplementos pré-desmame podem induzir mais rapidamente a maturação do sistema digestivo, produzindo enzimas que favorecem a digestão de milho e soja, deixando-os preparados para a nova alimentação na creche. Associada a ração para Creep-feeding, essa estratégia garante que o leitão desmame já comendo nas primeiras horas na creche. Isso é muito importante para um arranque inicial significativo nas duas primeiras semanas, ao fim do ciclo o ganho de peso será superior” destaca o especialista da Trouw Nutrition.

Araújo assinala que, no passado, quando um leitão nascia pequeno, acreditava-se que ele estava destinado a ter baixo ganho de peso por toda a vida, pois o cenário era irreversível devido a genética. “Mesmo quando nascem pequenos, a reversão é possível, pois 70% do seu desenvolvimento provêm do manejo e nutrição. Há muito espaço para trabalhar no incremento da produtividade da granja”, completa.

Continue lendo

Agronegócio

Começa a 6ª edição do Concafé em RO; veja programação

Publicado

em

Café robusta amazônico — Foto: Renata Silva/Embrapa Rondônia

Começou nesta quarta-feira (20), a 6ª edição do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé), em Cacoal (RO). O evento segue até sexta-feira (22), com palestras, oficinas, apresentações culturais e premiações.

O concurso iniciou às 14h, com a visita de técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater) à ‘Fazendinha Sustentável’, da família produtora Don Bento, já premiada em outras edições.

Conforme a programação divulgada pelo Governo do Estado, a abertura oficial do evento será nesta quinta-feira (21), às 9h, no Complexo Beira Rio, às margens do rio Machado. Na sequência será realizada uma série de palestras voltadas à cafeicultura rondoniense, encerrando com a apresentação cultural com a dupla sertaneja Cuiabano e Douradense, de Cacoal.

Local de realização da 6ª edição do Concafé, no Complexo Beira Rio, às margens do rio Machado — Foto: Ésio Mendes

Local de realização da 6ª edição do Concafé, no Complexo Beira Rio, às margens do rio Machado — Foto: Ésio Mendes

Além disso, ao longo do dia, também serão oferecidas diversas oficinas ao público. As vagas serão limitadas e as inscrições devem ocorrer por ordem de chegada na quinta-feira, no espaço de credenciamento.

Já na sexta-feira (22), está marcada para às 9h, a cerimônia de premiação dos grandes vencedores do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia. Pela manhã, serão conhecidos os melhores cafés robustas do estado e premiadas as propriedades mais sustentáveis. A cerimônia também contará com a apresentação do cantor e violeiro Jader.

Segundo o governo, os participantes deverão estar com o esquema de imunização contra Covid-19 completos, com as duas doses da vacina ou dose única.

Confira a programação:

21 de outubro (quinta-feira)

  • 9h – Abertura – Tenda Concafé
  • 9h30 – Projeto Água Nossa de Cada Dia, alternativa para sustentabilidade na cafeicultura
  • 10h – Perspectivas de mercado para cafés especiais
  • 10h30 – Robustas Amazônicos – Cafés com Identificação Geográfica
  • 11h – Concafé – Cafés e histórias especiais
  • 12h – Intervalo
  • 14h – Rede Estadual de Avaliação de Clones de Cafés
  • 14h30 – Manejo fitossanitário do cafeeiro
  • 15h – Pragas e doenças do café canéfora com foco na broca e cochonilha das rosetas
  • 16h – Boas práticas na produção de mudas de café canéfora
  • 17h – Diagnóstico da produção de mudas do café em Rondônia
  • 18h – Apresentação cultural de Cuyabano e Douradense
  • 20h – Encerramento

Oficinas técnicas (Quiosque do café)

  • 9h – Oficina de torra do café
  • 10h30h – Oficina sobre métodos de preparo do café
  • 14h – Oficina de classificação física do café
  • 15h30 – Oficina de torra do café
  • 17h – Demonstração de aplicação de defensivos agrícolas via drone
  • 17h – Oficina sobre métodos de preparo do café

22 de outubro (sexta-feira)

  • 9h – Cerimônia de premiação do 6° Concafé Rondônia
  • Apresentação cultural de Jader
  • 13h – Encerramento

Além disso, outras atrações devem ocorrer nos dois dias, como a exposição e venda de cafés robustas amazônicos, feira de agroindústria e artesanatos, bem como a assinatura de contratos do Programa Nacional de Crédito Fundiário (UTE/Seagri).

Premiações

Concafé  — Foto: Magda Oliveira/Aquivo g1

Concafé — Foto: Magda Oliveira/Aquivo g1

Neste ano, o concurso reuniu produtores de café robusta de 30 municípios de Rondônia, que concorrem a mais de R$ 400 mil em prêmios. Segundo o governo, ao todo, foram realizadas 237 inscrições para participarem da premiação, sendo que 42 são de mulheres cafeicultoras.

Os cafeicultores da 6º edição do Concafé terão a oportunidade de concorrer aos prêmios:

  • 1º lugar: trator cafeeiro LSR65 cabinado;
  • 2º lugar: uma estufa de secagem de café, de secagem estática e fogo indireto;
  • 3º lugar: torrador cinco quilos Standard;
  • 4º lugar: R$ 15 mil em crédito para aquisição de produtos na empresa Pinhalense;
  • 5º lugar: R$ 10 mil em dinheiro;
  • 6º lugar: 50 toneladas de calcário; e
  • 7º lugar: 50 toneladas de calcário.

Toda a programação do concurso será transmitida ao vivo pelos canais da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) no YouTube e Facebook.

Fonte: G1/RO

Continue lendo

Agronegócio

Streptococcosis é uma das bacterianas que afetam a produção de tilápia

Publicado

em

Gestão sanitária é o melhor protocolo contra a bactéria

A chegada dos meses mais quentes do ano acende alerta para os piscicultores em relação à proliferação do Streptococcus spp. Esse gênero de bactérias se propaga com mais facilidade em temperaturas acima dos 28oC e é potencialmente patogênica  para a produção de peixes de cultivo, como a tilápia. Se não tratada corretamente, pode proporcionar perda maior que 50% da população dos peixes infectados. Se diagnosticada rapidamente e tratada, a mortalidade cai significativamente reduzindo os prejuízos financeiros dos produtores.

Um desafio adicional para os piscicultores é a identificação da espécie da bactéria. Apesar de a bactéria Streptococcus agalactiae ser a mais comum na tilapicultura brasileira, Streptococcus iniae e Streptococcus dysgalactiae também são recorrentes, e o atraso na identificação, pode comprometer a eficácia do tratamento e provocar prejuízos ainda maiores.

“O Streptococcus pode estar presente em peixes mortos, moribundos e até mesmo com aparência sadia. Sendo liberado na água, pode colonizar outros peixes causando infecções e acarretando elevada mortalidade. Os sinais clínicos na maioria dos casos podem ser muito semelhantes em infecções causadas pelas três principais espécies de Streptococcus que afetam as tilápias”, explica Paulo Ceccarelli Jr, coordenador técnico comercial Aqua SANPHAR/IPEVE.

Em relação aos sinais clínicos da doença, o especialista da SANPHAR/IPEVE os divide em dois grupos: externo e interno. No primeiro, surgem letargia, anorexia, escurecimento da pele, hemorragias, necroses na pele e tecido muscular, exoftalmia e opacidade de córnea. Como característica, os peixes em processo de infecção mais avançados apresentam natação errática. Já nos sinais clínicos internos estão: tamanho do baço aumentado e com coloração escurecida, fígado pálido e aumento de fluído com presença de sangue na cavidade abdominal.

Os sinais clínicos entre as espécies são semelhantes, o que leva à necessidade de análise laboratorial para a definição correta do tratamento. Ceccarelli Jr. relata que em muitos casos, por ser mais comum, o produtor tende a cuidar do problema com soluções voltadas para a bactéria Streptococcus agalactiae, o que não garante a eficácia do tratamento e pode até atrasar a adoção dos cuidados sanitários adequados, elevando a taxa de mortalidade.

Para evitar este cenário, é necessário que o produtor adote um protocolo de gestão sanitária, fazendo testes regularmente, para identificar o surgimento dessa e outras patologias antes de sua propagação. No caso da bactéria Streptococcus spp, o coordenador técnico comercial Aqua SANPHAR/IPEVE enfatiza que o seu avanço é rápido e que, se descoberta antes de apresentar sinais clínicos, a mortalidade tende a ficar baixa minimizando o impacto negativo sobre a produção.

“A adoção de programas de gestão sanitária é importante porque envolve diagnósticos frequentes para identificação precisa dos agentes causadores das doenças – o que facilita o tratamento correto e efetivo e envolve a utilização de vacinas autógenas, como tratamento profilático – elas são produzidas a partir de bactérias isoladas dos peixes de cada piscicultura, o que permite a utilização de um ou mais antígenos em sua composição, garantindo mais eficiência na imunização dos peixes”, completa Ceccarelli.

O IPEVE, laboratório de diagnósticos da SANPHAR Saúde Animal, produz vacinas autógenas e oferece uma série de serviços, entre os quais programa de gestão sanitária completo, que acompanha o desempenho dos animais, produção e demais índices zootécnicos, com monitoria periódica, conforme as necessidades de cada propriedade. Através da gestão, a avaliação de iniciativas profiláticas ou terapêuticas ou ainda de manejo podem ser melhor exploradas para garantir o melhor rendimento do plantel.

Fonte: Gabriela Salazar/STA Press

Continue lendo
--Publicidade--

Ultimas Notícias

--Publicidade--

Publicidades

Agronegócio

Policial

Internacional

Tendências

%d blogueiros gostam disto: