fbpx
Conecte-se conosco

Internacional

Robô encontra navio romano naufragado há 2.200 anos cheio de vinho

Publicado

em

Na costa de Palermo, na Itália, foi descoberto um antigo navio romano do século 2 a.C., com uma grande carga de jarras de vinho. (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Na costa de Palermo, na Itália, foi descoberto um antigo navio romano do século 2 a.C., com uma grande carga de jarras de vinho. A descoberta foi feita por um robô submarino.

Para os responsáveis pela expedição, esta descoberta arqueológica acrescenta dados ao patrimônio preservado no fundo marinho. As primeiras imagens foram captadas por uma ROV (Veículo Operado Remoto em inglês), um robô comandado a partir do navio oceanográfico Calypso South, ao serviço da Agência Regional para a Proteção do Ambiente da Sicília, ARPA.

+ Designer cria olho robótico que permite que você ande digitando no celular sem cair

Um ROV é um veículo subaquático, controlado remotamente, que permite a observação remota do fundo do mar e estruturas submarinas. Segundo os arqueólogos, o conjunto de âncoras reveladas pelo Rov aponta para que sejam do formato conhecido por Dressel 1. Este tipo de contentores cerâmicos está documentado em outros naufrágios e é associado ao transporte de vinho.

Alberto Samonà, conselheiro para o Patrimônio Cultural e Identidade da Sicília, diz que “a identificação do navio romano no fundo do mar de Isola delle Femmine é talvez um dos achados mais importantes dos últimos meses” . No Tweet compartilhado é possível ver um vídeo da descoberta.

O somatório das descobertas permite fazer uma reconstituição da atividade comercial de Roma no Mediterrâneo e dos circuitos do vinho, azeitonas e preparados de peixe entre o norte da África, Península Ibérica, França e Médio Oriente.

Fonte: istoé

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Internacional

Três casos de vírus capaz de paralisar humanos são detectados na Espanha

Publicado

em

As três pessoas infectadas foram registradas em um espaço de 24 horas, após testarem positivo à meningoencefalite

Na província de Sevilha, na Espanha, foram identificadas três pessoas infectadas com meningoencefalite, doença do vírus do Nilo Ocidental, transmitida por picadas de mosquito, relatou na quinta-feira (19) o Ministério Regional da Saúde e das Famílias do Governo Regional da Andaluzia.

As três pessoas infectadas foram registradas em um espaço de 24 horas na província, após testarem positivo à meningoencefalite, e duas delas foram hospitalizadas. Como resultado, as autoridades sanitárias ativaram imediatamente todos os protocolos e medidas de saúde pública previstos para tal situação.

O vírus do Nilo Ocidental é transmitido através da picada de um mosquito que, por sua vez, o contrai se alimentando de aves infectadas, que são as principais portadoras do patógeno.

Além dos humanos, os cavalos também são hospedeiros finais do vírus.

Os doentes sofrem de sintomas como febre, dor de cabeça, dores no corpo, dores nas articulações, vômitos, diarreia, fraqueza muscular ou paralisia. Mesmo que o paciente acabe recuperando, o cansaço e a fraqueza podem persistir por semanas ou meses. Nos casos mais críticos, podem ocorrer doenças neurológicas graves, tais como encefalite ou meningite.

Cerca de 10% destes últimos pacientes morrem.

Em 2020 foi registrado na Espanha um total de 76 casos, 40 confirmados e 36 prováveis, sendo que em 30 de julho Modesto González, prefeito de Coria del Río, advertiu que as amostras coletadas pela Estação Biológica Doñana-CSIC nos campos de arroz do Guadalquivir teriam detectado em mosquitos na área “uma carga viral de intensidade comparável à do surto de 2020”.

Não há vacina ou tratamento para o vírus do Nilo Ocidental em humanos, embora existam várias vacinas para os cavalos. (Sputnik News)

Por SN

Continue lendo

Economia

China autoriza 21 frigoríficos brasileiros para exportação de carne

Publicado

em

O Ministério da Agricultura  recebeu comunicado da Administração Geral de Alfândegas da China (GACC, na sigla em inglês) confirmando o credenciamento e autorização para mais 21 frigoríficos brasileiros exportarem carne para o país asiático.

Dos novos estabelecimentos autorizados, cinco são de Rondônia, localizados nos municípios de Chupimguaia, Ji-Paraná, Pimenta Bueno e dois em Rolim de Moura.

Para o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) que auxiliou nas tratativas técnicas, políticas e diplomáticas entre os dois países, a abertura desse mercado para a carne rondoniense é resultado do trabalho de pecuaristas, da Idaron, da Seagri e do Fefa, que juntos conquistaram o status livre de aftosa sem vacinação para o rebanho bovino do Estado.

O senador também destacou que essa conquista é também resultado do trabalho dos frigoríficos, que atuam dentro das mais modernas normas técnicas e sanitárias, assegurando a qualidade da carne rondoniense, do chamado  “boi verde” – criado no pasto e no sistema de semi-confinamento.

“É uma notícia boa para nossas pecuaristas e frigoríficos, mas também para toda economia regional, pois vai gerar mais emprego e renda para muita gente”, salienta Gurgacz.

As negociações para essa ampliação do mercado da carne foram conduzidas pelo Ministério da Agricultura, pelo Ministério das Relações Exteriores, pela Embaixada do Brasil na China, e também pela Comissão de Agricultura do Senado, da qual o senador Acir Gurgacz é presidente.

Para inclusão dos frigoríficos rondonienses entre os exportadores, o senador cobrou mais agilidade do Ministério da Agricultura no cadastramento das plantas de Rondônia e também atuou junto à Embaixada da China no sentido de facilitar o trabalho burocrático, técnico e diplomático.
 
Os chineses são os maiores parceiros comerciais do agronegócio brasileiro.

“Com a conquista do selo livre de aftosa sem vacinação para Rondônia iniciamos um trabalho junto ao governo brasileiro e a embaixada chinesa para incluir os frigoríficos rondonienses entre os exportadores para o mercado asiático. É uma grande conquista para o nosso Estado e para todo o Brasil”, ressalta o senador rondoniense.

ASCOM – Senador Acir Gurgacz

Continue lendo

Internacional

Casos de coronavírus nos EUA sobem e alimentam temores de novo pico

Publicado

em

© Reuters/MARIO ANZUONI Mulheres andam de máscaras em Los Angeles

NOVA YORK (Reuters) – Um aumento rápido no número de casos de coronavírus nos Estados Unidos e no exterior está alavancando os temores de uma ressurgência da pandemia e abalando o mercado financeiro, conforme a variante Delta, altamente contagiosa, toma conta do cenário e a vacinação patina em diversos Estados.

Por conta de surtos em partes dos EUA com baixas taxas de vacinação, o número de novos casos, hospitalizações e mortes por conta da Covid-19 tem aumentado nos últimos dias. 

As vacinas funcionam contra a variante Delta, mas os testes laboratoriais mostram que elas são menos eficientes do que eram contra a forma original do coronavírus.

Estudos também mostraram que duas doses da vacina da Pfizer/BioNTech e da AstraZeneca são muito mais eficientes do que uma contra a infecção pelo vírus, evidenciando a importância da imunização completa.

Preocupações de que novas altas possam desestabilizar a recuperação econômica derrubaram o índice Dow Jones em mais de 2% nesta segunda-feira.

Em um discurso sobre a economia norte-americana, o presidente Joe Biden afirmou que a retomada depende do controle da pandemia. Biden afirmou que quatro Estados com baixas taxas de vacinação representaram 40% do total de casos na semana passada. 

“Então, por favor se vacinem”, disse Biden. “Tomem a vacina agora.”

A média de novos casos da Covid-19 por dia triplicou nos últimos 30 dias nos Estados Unidos, de acordo com uma análise de dados da Reuters. No período de um mês desde 18 de junho até domingo, a marca subiu de 12.004 para 32.136.

Fonte: Reouter

Continue lendo
--Publicidade--

Ultimas Notícias

--Publicidade--

Publicidades

Agronegócio

Policial

Internacional

Tendências

%d blogueiros gostam disto: