fbpx
Conecte-se conosco

Meio Ambiente

Mais de 5,8 milhões de árvores plantadas em projetos de reflorestamento em Ro

Publicado

em

Em toneladas de gases de efeito estufa fixados, esse volume de árvores representa a compensação de gasolina suficiente para um veículo dar 150 voltas ao redor do planeta

Este ano o Centro de Estudos Rioterra atingiu um marco importante nas ações de reflorestamento na Amazônia. São exatamente 5.810.200 milhões de árvores plantadas em projetos de apoio à conservação da biodiversidade, combate às mudanças climáticas e a diminuição da vulnerabilidade social.

As mudas para reflorestar a Amazônia rondoniense foram produzidas no viveiro do CES Rioterra localizado no município de Itapuã do Oeste, o maior e mais moderno do Estado, e doadas para comporem projetos de reflorestamento em propriedades de agricultura familiar e unidades de conservação do Estado.

E o que exatamente este número significa em benefícios?

Para a diminuição dos impactos provocados pelas mudanças climáticas no mundo, esse volume de árvores significa mais de 1 milhão e duzentas mil (1.287.112,50t CO2) toneladas de gases de efeito estufa fixados em suas raízes, troncos e galhos. Na prática, representa a compensação de mais de 600 mil litros de gasolina queimados. Se fosse possível, essa quantidade seria suficiente para um veículo fazer exatas 150 voltas ao redor do planeta.

Os benefícios vão além. A recuperação da vegetação contribui também para a conservação da biodiversidade do ecossistema amazônico e a redução das vulnerabilidades sociais na região. Todas as árvores plantadas são nativas. Uma parte desses milhões de árvores plantadas são de espécies ameaçadas de extinção.

Para os mais de 4 mil agricultores familiares que participam dos projetos do CES Rioterra, o reflorestamento em suas propriedades representa diversificação da produção, aumento de renda e melhoria da qualidade de vida, já que outras milhares de mudas doadas são de espécies agrícolas de alto valor econômico, como café, cacau, pupunha, açaí e cupuaçu.

Muitas dessas árvores foram destinadas para recuperação de áreas de preservação permanente (APPs), ou seja, manter as condições  e/ou melhorar a quantidade e qualidade dos rios que atravessam as áreas rurais para não prejudicar a produção agrícola, mantendo a capacidade de participação nos mercados das famílias beneficiadas.

Projetos de reflorestamento de áreas degradadas e/ou alteradas da Floresta Amazônica fazem parte das ações do Centro de Estudos Rioterra para a Década da Restauração, movimento da Organização das Nações Unidades (ONU) em prol da restauração de ecossistemas em todo o mundo e da crença que reduzir as vulnerabilidades sociais contribui para a conservação da biodiversidade e  combate à emergência climática na Amazônia.

Fonte: Malu Calixto Assessora de Comunicação

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Meio Ambiente

“Operação Verde Rondônia” é lançada pelo Governo para combater incêndios florestais

Publicado

em

Na Operação Verde Rondônia serão empregados mais de R$ 2 milhões, sendo R$ 591 mil de recursos próprios do Estado

Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) e Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM), lançou nesta quarta-feira (28) a “Operação Verde Rondônia” para o combate aos incêndios florestais nas seis regiões que registram maiores pontos de calor no Estado.

A “Operação Verde Rondônia” terá início na próxima segunda-feira, 02 de agosto sob o comando do CBM, com a implantação da Brigada de Proteção contra Incêndio Florestal (BPCIF) com apoio da Sesdec e da Sedam, além do Grupo de Operações Aéreas (GOA) do CBM e do Núcleo de Operações Aéreas (NOA) da Sesdec, que receberam treinamento do Instituto Brasileirodo Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) recentemente para o combate a incêndios florestais.

A “Operação Verde Rondônia” terá início na próxima segunda-feira, 02 de agosto sob o comando do CBM, com a implantação da Brigada de Proteção contra Incêndio Florestal (BPCIF) com apoio da Sesdec e da Sedam, além do Grupo de Operações Aéreas (GOA) do CBM e do Núcleo de Operações Aéreas (NOA) da Sesdec, que receberam treinamento do Instituto Brasileirodo Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) recentemente para o combate a incêndios florestais.

A “Operação Verde Rondônia” inicia em agosto e encerra em meados de novembro quando começa o período chuvoso e deve se concentrar nos seis pontos com maiores focos de calor registrados em 2020. As equipes vão estar concentradas nas regiões do distrito de Nova Dimensão (Nova Mamoré), Vila de Samuel (Candeias do Jamari), distrito de Rio Branco (Buritis), Cujubim, Seringueiras e distrito de União Bandeirantes (Porto Velho) que detém o maior número de focos de calor em Rondônia.

Segundo o secretário-adjunto da Sedam, Demargli da Costa Farias, nesta operação, “serão empregados um total de recursos de R$ 2.091.000,00 (dois milhões e noventa e um mil reais), sendo R$ 591 mil de recursos próprios do Estado, via Sedam e o restante do Governo Federal vindos da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Isso demonstra uma união de forças em prol de uma ação comum que é combater incêndios florestais”, destacou Demargli.

O Corpo de Bombeiros Militar, que ficará no comando da “Operação Verde Rondônia”, está presente em 15 municípios do Estado, e de acordo com o Comandante Geral do CBM, Cel. BM Nivaldo de Azevedo Ferreira, “essa operação será uma resposta efetiva e bem executada pelo CBM e terá um reforço com emprego diário de 60 militares, que vão atuar em escalas menores que a atual, reduzindo de 24/72  para 24/48 horas, com troca de equipes a cada 15 dias, podendo aumentar em agosto com o reforço dos 72 Bombeiros Civis Voluntários cujo processo seletivo que teve o período de inscrição prorrogado e encerra nesta quinta-feira (29)”, enfatizou o comandante.

ESTRUTURA 

Em termos de estrutura serão utilizadas 12 viaturas do Corpo de Bombeiros, cinco da Sedam, além dos efetivos policiais do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA/PM) e da própria Polícia Militar. O principal objetivo é reduzir as ocorrências de degradação ambiental por uso de fogo. Ao todo, serão empregados na “Operação Verde Rondônia” 136 bombeiros militares nas unidades operacionais e brigadas, todos equipados com viaturas de combate a incêndios florestais, munidos de abafadores, bombas costais, sopradores, atomizadores, moto bombas com esguichos, GPS, kits APH básico entre outras ferramentas de proteção individual.

Fonte
Texto: Andréia Fortini
Fotos: Daiane Mendonça, Frank Néry e Nivaldo Ferreira
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Meio Ambiente

Incêndio em matagal deixa moradores preocupados no bairro Centenário

Publicado

em

Um incêndio em matagal deixou moradores preocupados na manhã desta terça feira (27), na Avenida São Luiz e na Avenida Curitiba, bairro Centenário.

De acordo com informações uma pessoa passou próximo a ponte do Rio Anta em ambas as avenidas e ateou fogo saindo correndo do local.

O fogo se alastrou e moradores próximo ficaram preocupados, pois o fogo estava alto e muita fumaça, o corpo de bombeiros foi acionado e compareceu ao local, o fogo foi contigo na Avenida São Luiz por um morador que ficava bem ao lado do incêndio.

O caminhão do bombeiros foi na Avenida Curitiba e apagou o fogo deixando os moradores mais tranquilos, agora com este período de estiagem e seco, devemos ter muito cuidado com fogo, e queimada é crime conforme prevê a Lei complementar municipal 68/2009, passivo à multa conforme determina o Artigo 120° da referida lei.

Fonte: Rondônia News

Continue lendo

Meio Ambiente

Emater reforça importância da prevenção às queimadas em Rondônia

Publicado

em

Prática de queimadas causa danos como empobrecimento do solo e desertificação da área.

Embora seja intensificada no mês de agosto, a estiagem amazônica no estado de Rondônia já vem dando seus primeiros sinais e com ela chegam os primeiros focos de queimadas. Provocadas ou acidentais, elas trazem prejuízos incontáveis, tanto na natureza, como nas lavouras ou na saúde da população. No intuito de conter os focos de incêndio, o Governo de Rondônia, por meio da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), soma suas forças aos órgãos de combate e percorre propriedades urbanas e rurais orientando a sua prevenção e alertando para conscientizar a população dos perigos que a prática provoca à sociedade e ao meio ambiente.

As queimadas eram muito utilizadas em limpeza de terrenos para cultivo de plantações e formação de pastagens em tempos que não existiam equipamentos para o manejo da terra. Considerada uma prática primitiva da agricultura, ela ainda é utilizada de forma controlada para eliminar restos de cultura e de exploração florestal ou eliminar pragas e doenças nas atividades agropecuárias, entretanto, seu uso causa danos como empobrecimento do solo e desertificação da área.

Nos centros urbanos, a prática de atear fogo em lixos e restos de materiais para limpar lotes ou dar fim aos resíduos também é muito prejudicial. Considerado crime que coloca em risco a saúde humana ou a segurança de animais, de acordo com o artigo 54 da lei nº 9.605, provocar tais incêndios, mesmo que em pequenos focos, incorre em multas ao infrator, podendo chegar à pena de reclusão de seis meses a um ano, se o crime for considerado culposo.

No intuito de minimizar a prática de queimadas neste ano, o Governo Federal, por meio do Decreto nº 10.735, de junho de 2021, suspendeu a permissão do emprego do fogo que trata o Decreto nº 2.661, de 8 de julho de 1998, no território nacional pelo prazo de 120 dias. Assim, orientar a população quanto aos riscos e a prevenção da prática de queimadas tem sido uma das alternativas para evitar o crescimento dos focos no estado, neste ano.

Conscientização, orientação, prevenção e práticas de controle aos focos são repassadas

A ação de combate às queimadas é coordenada pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), por meio da Coordenadoria de Educação Ambiental e conta com a parceria de órgãos como a Emater e o Corpo de Bombeiros Militar na realização de visitas às regiões onde costuma haver maior incidência de focos de incêndio. Segundo Fabiana Bezerra, responsável por esse segmento na Emater, a orientação contra a prática de queimadas está dentro da programação das atividades dos escritórios locais nos 52 municípios do estado, mas a parceria com a Sedam e Corpo de Bombeiros tem intensificado a ação preventiva em dez pontos de maior ocorrência.

Fabiana diz ainda que os maiores focos de queimadas estão dentro de Porto Velho, seguido por Candeias do Jamari, São Miguel do Guaporé e Alto Paraíso que, de acordo com dados da Sedam, juntos representam 44% do total de focos no estado de Rondônia. Somente em Porto Velho, neste ano de 2021, conforme dados da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) local, os focos de queimadas beiram a uma centena, cerca de 30% somente no mês de junho.

O Governo do Estado por meio da Sedam, Emater e Corpo de Bombeiros, vem fazendo a sua parte, conscientizando, orientando quanto à prevenção, ensinando a usar equipamentos e mostrando alternativas de controle aos focos. Agora é preciso contar com a sociedade para que essa ação obtenha sucesso no combate às queimadas em Rondônia.


Fonte
Texto: Wania Ressutti
Fotos: Frank Nery e Lívia Balbino Guimarães
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo
--Publicidade--

Ultimas Notícias

--Publicidade--

Publicidades

Agronegócio

Policial

Internacional

Tendências

%d blogueiros gostam disto: