Conecte-se conosco

Economia

Você sabe qual o orçamento federal para 2021? Ninguém sabe

Publicado

em

A disputa política nas várias esferas – municipal, estadual e federal – causa incontáveis prejuízos para o país. Ok, sempre foi assim, mas o fato é que os casos se repetem e sempre há por trás uma motivação de poder.

É o que acontece neste momento com o orçamento federal para 2021, sem data ainda para ser votado.

O governo federal enviou ao Congresso Federal, no dia 31.08.2020 – último dia constitucional para isso –, a chamada Lei Orçamentária Anual (LOA).

Até o momento, porém, nem a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) foi montada. A questão envolve uma pitada de burocracia e muito de briga política. A Comissão não andou ainda por disputa pelo comando. Afinal, trata-se de um órgão de muita influência.

A CMO tem várias atribuições. É ela que examina e emite parecer sobre o Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a Lei Orçamentária Anual (LOA) e demais matérias orçamentárias. Ela também examina as contas apresentadas anualmente pelo presidente da República, os planos e programas nacionais, regionais e setoriais e acompanha a fiscalização orçamentária.

A Comissão é composta por 40 parlamentares, sendo 30 deputados e dez senadores, com igual número de suplentes, e dirigida por um presidente e três vice-presidentes, escolhidos de acordo com a proporcionalidade partidária.

É exatamente na composição da CMO que mora o problema. Vários partidos querem sua presidência. Afinal, quem estiver nesse posto tem muita influência para redirecionar gastos públicos federais.

E há muitos recursos em jogo. A LOA enviada ao Congresso envolve R$ 1,56 trilhão em receita (20,4% do PIB) e R$ 1,516 trilhão em despesas (19,8% do PIB).

Já houve três tentativas de montar a Comissão. Todas fracassaram. Quanto mais tempo o país ainda tem de esperar pela boa vontade dos políticos? Eles estão lá para servir à sociedade ou se servir do poder?

Autor: Antonio Tuccilio, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

Fonte: Fernanda Souza

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Economia

Petrobras deve elevar em 5,5% na média preço do GLP para distribuidoras

Publicado

em

Por

Petrobras deve elevar em 5,5% na média preço do GLP para distribuidoras

A partir de quinta-feira, a Petrobras aumentará em 5,5%, na média, os preços do gás liquefeito do petróleo (GLP) vendido para as distribuidoras, disse uma fonte. O combustível será reajustado entre 3% e 8%, dependendo do polo supridor.

É o nono aumento seguido, desde maio. No acumulado de 2020, são nove reajustes positivos e cinco quedas no preço praticado pela Petrobras.

Segundo a fonte, o aumento acumulado do GLP vendido pela estatal no ano é da ordem de 23%.

O reajuste vale tanto para o GLP vendido a granel quanto em botijões de 13 quilos (P-13).

Fonte: Valor Econômico

Continue lendo

Economia

Paulo Guedes dá notícia sobre prorrogação que interessa milhões de brasileiros

Publicado

em

Por

Ministro da Economia participou de um evento virtual na última segunda (23) e voltou a se posicionar sobre extensão do Auxílio Emergencial.

Agência Brasil – Caixa

Participando de um evento virtual promovido por um empresa de investimentos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a falar sobre a possibilidade de prorrogação do Auxílio Emergencial, programa criado pelo governo federal para reaquecer a economia nacional e ser um alento aos brasileiros em tempos de pandemia.

Com calendário do benefício fixado até dezembro, milhares de brasileiros estão na expectativa de uma nova extensão do programa. Depois de dizer que a prorrogação seria possível diante de uma segunda nova onda de Covid-19 no país, Paulo Guedes mudou o discurso, afirmando que o governo federal não pretende continuar pagando o benefício para desempregados e trabalhadores informais. 

a declaração, o responsável pela pasta que disse que há pressão por parte da ala política pela prorrogação, mas que a área econômica está pronta para reagir em caso de uma segunda onda de casos da Covid, que na visão dele não irá acontecer, uma vez que os casos estão “descendo”.

“Do ponto de vista do governo não existe a prorrogação do auxílio emergencial. Evidente que há muita pressão política para isso acontecer. É evidente que tem muita gente falando em segunda onda, etc. e nós estamos preparados para reagir a qualquer evidência empírica”, disse Guedes.

Apesar do ministro aponta uma queda no índice de mortes diárias, citando uma queda da casa de 1,4 mil para 250 mortes diárias, os números do levantamento do consórcio de imprensa aponta que o país apresenta uma taxa média de 484 óbitos diários da Covid-19, sendo que em 10 estados os casos de morte estão em alta. 

Pagamentos

A Caixa Econômica iniciou no último domingo (22), o pagamento da oitava parcela do Auxílio Emergencial para beneficiários fora do Bolsa Família. A cota de R$ 300 é a penúltima prevista no cronograma fixado pelo governo federal. 

Fonte: i7 News

Continue lendo

Economia

Conta de luz terá cobrança extra a partir desta terça-feira, decide Aneel

Publicado

em

Por

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu nesta segunda-feira (30) que haverá cobrança extra na conta de luz dos consumidores a partir desta terça (1º).

Em reunião extraordinária, a Aneel decidiu que será cobrada a bandeira vermelha patamar 2, cujo valor é o maior no sistema de bandeiras da agência (veja na imagem mais abaixo).

Com isso, a cobrança extra será de R$ 6,24 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

Em 26 maio, a Aneel havia anunciado que não haveria cobrança extra na conta de luz até 31 de dezembro deste ano, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Na reunião desta segunda-feira, contudo, a agência decidiu revogar a decisão e aplicar a bandeira vermelha patamar 2.

Motivo da cobrança extra

Segundo o relator da proposta, Efrain Pereira da Cruz, o despacho de maio foi revogado porque o Brasil voltou aos patamares de consumo anteriores ao início da pandemia.

No entanto, conforme a Aneel, a oferta de energia está comprometida em razão dos baixos níveis dos reservatórios. Desta forma, o mecanismo da bandeira voltou a ser necessário no entendimento do órgão.

“Essa condição de oferta adversa, somada à tendência de recuperação de carga da energia aos patamares pré-crise, são indícios concretos de que o mecanismo das bandeiras já merece ser restabelecido e a curto prazo”, afirmou o relator.

Governo autoriza acionamento de usinas termelétricas e a importação de energia

Acionamento de térmicas

Em outubro, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) autorizou o acionamento de termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. A medida costuma ser adotada quando o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas está abaixo do recomendado.

Só que a energia gerada por térmicas sai mais cara para o consumidor. O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, defende que a alternativa seja economizar:

“É importante dar um sinal ao consumidor de que a geração no país está cara pelo fato de estar sendo atendida por termelétricas, então é importante para o consumidor evitar desperdício de água e de energia”, disse Pepitone.

Fonte: G1

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidades

--Publicidade--

Tendências

Copyright © 2020 Portal de Notícias Floresta Notícias. Todos Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: