Conecte-se conosco

Agronegócio

Brasil deve importar arroz dos EUA e Tailândia, diz Tereza Cristina

Publicado

em

© Marcelo Camargo/ Agência Brasil Tereza Cristina, ministra da Agricultura

taxa zero para importação de arroz de países de fora do Mercosul deverá beneficiar principalmente Estados Unidos e Tailândia, que deverão exportar aos brasileiros, disse a ministra da AgriculturaTereza Cristina, nesta quinta-feira, 10.

Câmara de Comércio Exterior (Camex) resolveu na quarta zerar a tarifa de importação do arroz para tentar atenuar os preços recordes do produto.

A isenção da tarifa de 10% a 12%, para o arroz em casca e beneficiado, respectivamente, vale para uma cota de 400 mil tonelada até o final do ano, volume que representa cerca de 35% das importações brasileiras totais projetadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o ano.

“Agora, é claro que o arroz demora um pouco para entrar. Ele vem basicamente dos Estados Unidos e Tailândia, que são os países que podem exportar porque é o mesmo tipo de arroz. Nós temos outros países produtores, mas é de outro tipo”, disse a ministra, em entrevista à Rádio Gaúcha, com sede na capital do Estado que é o maior produtor de arroz do Brasil.

O presidente da Conab, Guilherme Bastos, disse à Reuters que muitas indústrias de beneficiamento já estão com suas compras agendadas em diversos países e também citou EUA e Tailândia como origens do produto.

Em meio ao dólar forte frente ao real que dificulta compras externas, as importações de arroz pelo Brasil de janeiro a agosto somaram 373,3 mil toneladas, queda de 26% ante o mesmo período do ano passado, segundo dados do governo.

A baixa nas aquisições no exterior também colaborou para a alta de preços, assim com a alta nas exportações.

A ministra lembrou que o Brasil sempre importou arroz do Paraguai e do Uruguai, em negócios sem tarifas, por causa do Mercosul, e que essas importações também costumam incomodar o setor produtivo, assim como a cota.

“Esse foi o primeiro ano que o produtor rural de arroz teve seus custos cobertos e uma margem de lucro. Trabalharam no vermelho muitos anos. Então foi muito difícil a tomada dessa decisão. A gente vem acompanhando isso há meses do arroz, mas a gente tem que olhar também o consumidor, a prateleira que não pode ficar vazia”, disse Tereza.

Segundo ela, a cota servirá muito mais como uma “reserva técnica” para não deixar o mercado desabastecido, e não deve atrapalhar a próxima safra, que será colhida no início do ano que vem.

A ministra disse ainda que a FAO, órgão das Nações Unidos para alimentos, já vinha alertando há dois meses sobre essa alta global dos preços.

“Isso está acontecendo no mundo todo. Claro nós tivemos aí o dólar que favoreceu as exportações, então houve um aumento exportações”, disse.

A ministra também destacou que o auxílio emergencial da covid-19 fez com que as pessoas comprassem mais arroz.

“Muita gente está em casa, mudou seu hábito alimentar, arroz feijão, óleo para cozinhar. Houve sim um aumento de consumo. Ah, exportou muito, exportou, mas temos estoques aqui dentro para atender nossa população”, disse.

“Estamos muito ligados na próxima safra, teremos uma safra com aumento de área, tudo indica, então deve ser maior.”

A Conab estimou em 11,18 milhões de toneladas a safra de arroz do Brasil 2019/20 (já colhida), ante 10,5 milhões na temporada anterior, o que fez com que o Brasil entrasse neste ano com estoques relativamente baixos.

Fonte: Msn

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Festival Tambaqui da Amazônia acontece em 10 municípios de Rondônia

Publicado

em

Por

Ao todo serão assadas 4.600 bandas de tambaqui sem espinhas

O Festival Tambaqui da Amazônia de 2020, evento tradicionalmente realizado em Ariquemes, desde 2017, ocorrerá em 10 municípios de Rondônia, simultaneamente, no dia 27 de setembro. Ao todo serão assadas 4.600 bandas de tambaqui sem espinhas, mais de seis mil quilos do pescado doado pelos piscicultores e processado pelas indústrias. Os rondonienses terão a oportunidade de adquirir e saborear do peixe mais consumido e produzido no Estado por um custo acessível.

O festival é uma iniciativa da Associação de Criadores de Peixe do Estado de Rondônia (Acripar) e do Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) e Entidade de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), em parceria com Zaltana Pescados e Rações, Pescado do Vale, Agroindústria Rodrigues, Piscicultura Agrofish, Hospital do Amor, Lions Clube e Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR).

Os municípios realizadores do festival são: Ariquemes, Pimenta Bueno, Rolim de Moura, Cacoal, Monte Negro, Porto Velho, Triunfo, Itapuã, Ouro Preto d’Oeste e Vilhena. Em decorrência do avanço do coronavírus (Covid-19), o maior churrasco de tambaqui da Amazônia ocorrerá na versão drive-thru, com o intuito de prevenir e evitar a disseminação da doença. A população vai poder fazer a retirada do pescado assado dentro do carro, evitando fila e o contato físico.

A banda será vendida no valor de R$ 15 e todo o valor arrecadado com as vendas será repassado paras as instituições: Lions Clube e Hospital de Amor da Amazônia. Os tickets serão vendidos antecipadamente para a retirada no dia do festival, e os interessados em adquirir uma banda, devem procurar os comitês organizadores de cada município.

Em Porto Velho, serão assadas 300 bandas de tambaqui. Os tickets já estão disponíveis e podem ser comprados na sede da Seagri, localizada no prédio Jamari do Palácio Rio Madeira e na Emater. A população poderá fazer a retirada do pescado na feirinha da Emater, localizada na avenida Imigrantes, 1313, próximo à avenida Farquar, na zona norte da capital.

De acordo com o secretário da Seagri, Evandro Padovani, o objetivo do festival é promover e divulgar o tambaqui no Estado para sensibilizar os rondonienses a consumirem mais o peixe. “Rondônia é o maior produtor de peixe nativo de cativeiro do Brasil, mas o consumo per capta de peixe pelos rondonienses ainda é muito baixo perto de outros estados do país. Queremos incentivar o consumo do pescado dentro do Estado. O tambaqui é um peixe muito saboroso, de qualidade e com alto potencial para ganhar novos mercados”, disse.

O intuito do Governo de Rondônia e parceiros é ampliar o número de municípios participantes nos próximos anos. De acordo com o anuário Peixe BR 2019, a produção de peixes em cativeiro em Rondônia foi de aproximadamente 90 mil toneladas.


Fonte
Texto: Sara Cicera
Fotos: Daiane Mendonça
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Agronegócio

CNA projeta novo recorde para agropecuária e alta de 13,7% em 2020

Publicado

em

Por

De acordo com o órgão, a previsão é de que um novo recorde seja alcançado neste ano, com alta de 13,7% em relação a 2019.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou a nova projeção do Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária para 2020. De acordo com o órgão, a previsão é de que um novo recorde seja alcançado neste ano, com alta de 13,7% em relação a 2019.

A expectativa, realizada em cima de dados de preços e produção disponíveis até agosto deste ano, é de que a receita ultrapasse R$ 823 bilhões no período. VBP agrícola deve crescer 18%, avisa CNA

Ao dividirmos o Valor Bruto da Produção entre agrícola e pecuária, temos a seguinte situação:

Em relação ao VBP agrícola, a projeção da entidade é de uma alta aproximada de 18% em 2020, com receita bruta de R$ 531,6 bilhões.

O “carro-chefe” da produção agrícola, mais uma vez deverá ser pilotado pela soja, que tem produção recorde prevista, com receita estimada em R$ 218 bilhões, 23,8% acima do alcançado em 2019.

Na cola da soja aparecem arroz, café arábica e trigo, com altas de receita projetadas de 33,9%, 51% e 59%, e com crescimento de produção estimado, pela ordem, em 6,7%, 30% e 32%.

Alta da pecuária será menor

O VBP da pecuária pode ter alta de 6,6% e atingir receita de R$ 291,7 bilhões, conforme os cálculos divulgados pela CNA.

A entidade avaliou que o acréscimo de cerca de R$ 17,9 bilhões no faturamento da atividade está atrelado ao aumento nos preços da carne bovina e às maiores cotações e produção de ovos e suínos.

Ao falar especificamente sobre a carne bovina, o relatório citou a oferta restrita de animais para o abate como o fator que levará a uma retração de cerca de 3,6% na produção em 2020.

“Apesar do bom resultado da pecuária, o faturamento bruto das atividades de frango e de leite deve apresentar queda de 3,7% e 4,3%, respectivamente”, informou a CNA, complementando o comunicado à imprensa.

Por Paulo Amaral  

Fonte: Rondrural

Continue lendo

Agronegócio

Rondônia colhe quase 1 milhão de toneladas de milho na safra 2020, diz governo

Publicado

em

Por

Produção cresceu 25% de 2018 para 2019. Em comparação com levantamento da Conab, passa de um milhão de toneladas do grão coletados na safra 2019/2020.

Rondônia colhe 954,2 mil toneladas de milho na safra 2020. — Foto: Aprosoja-MS/Divulgação

Rondônia colheu 954,2 mil toneladas de milho na safra 2019/2020, o que o classifica como o segundo maior produtor do Norte. O governo do Estado revela que o grão para a região é o segundo produto agrícola que tem o maior Valor Bruto de Produção (VBP), com estimativa de R$ 855 milhões. A produção do milho no estado cresceu 25% de 2018 para 2019, ainda conforme o executivo.

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidades

--Publicidade--
--Publicidade--

Tendências

Copyright © 2020 Portal de Notícias Floresta Notícias. Todos Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: