Conecte-se conosco

Agronegócio

Embrapa divulga estudo inédito sobre tendências para a cadeia de carne bovina

Publicado

em

Os dados são do estudo que integra a mais recente edição da série “Desafios do Agronegócio Brasileiro”

Um dos pilares do agronegócio brasileiro, a cadeia da pecuária de corte movimentou o correspondente a 8,7% do PIB do país em 2018, totalizando R$ 597,22 bilhões. Para os próximos anos, o setor continuará a crescer, sustentado por um mercado consumidor de carne bovina crescente, com o aumento considerável da demanda, em especial pelos países asiáticos, como China e Hong Kong. Os dois países, só em 2018, compraram o correspondente a 43,6% de todo o montante exportado.

A busca por cortes diferenciados e de denominação de origem abrirão novas oportunidades de agregação de valor. No entanto, o maior grau de exigência do consumidor será um gatilho transformador da atividade, bem como a concorrência com outras fontes de proteína, que forçarão a cadeia a produzir melhor. O bem-estar animal será mandatório, desde a cria ao abate.

Os dados são do estudo que integra a mais recente edição da série “Desafios do Agronegócio Brasileiro”, elaborada por pesquisadores da Embrapa que integram o Centro de Inteligência da Carne Bovina da Embrapa Gado de Corte (Cicarne) e o Sistema Agropensa. Participaram do estudo os pesquisadores Guilherme Malafaia, Fernando Dias, Paulo Biscola e Elísio Contini e o analista Adalberto Araújo.

De acordo com os autores, a inovação digital será uma das duas maiores forças disruptivas para o mercado nas próximas duas décadas e acelerará o processo de transformação da cadeia, injetando gestão e inteligência na atividade. Terá papel central na certificação, rastreabilidade e qualidade do produto carne.

A busca por soluções sustentáveis transformará toda a cadeia produtiva, desde a indústria de insumos até a carne na prateleira do supermercado. Tecnologias de ponta como a biotecnologia moderna aumentarão a eficiência produtiva, com ganhos para os produtores e consumidores finais.

As tendências para a cadeia de carne bovina do país vão exigir melhor gestão do negócio, digitalização e intensificação produtiva por parte dos pecuaristas para que seja alcançado o potencial de incremento de 23% da produção nos próximos oito anos, diz o estudo.

Por outro lado, o impacto social será muito relevante – pois muitos pecuaristas não conseguirão se adaptar e deixarão a atividade.  “Vamos ter menos produtores, que serão mais tecnificados e terão maior volume de produção. Quem for pequeno ou se organiza em cooperativas, em associações, em rede, ou não sobreviverá”, afirma o pesquisador Elísio Contini.

De acordo com o especialista, a previsão é que poderão deixar a atividade quase metade dos 1,3 milhão de pecuaristas hoje em atividade, apesar de promissora projeção de o país se consolidar como líder global nesse mercado.

“Parcela considerável vai ser excluída da atividade e substituída por fazendas corporativas. Até 2040, cerca de 50% dos produtores devem sair do mercado”, afirma o coordenador do Cicarne, Guilherme Malafaia.

Mais carne em menos área

As projeções elaboradas pelo estudo indicam que os próximos anos serão de muito desenvolvimento e sucesso para os bons gestores. A pecuária brasileira produzirá mais carne em menos área, liberando terras para a agricultura e silvicultura. O setor ocupará espaço no cenário internacional, exportando desde genética a produtos altamente especializados e de elevado valor agregado. “O Brasil terá uma pecuária altamente tecnificada, profissional, competitiva e uma referência global, não só pelo gigantismo, mas também por sua tecnologia, qualidade, segurança e sustentabilidade”, afirmam os autores.

Eles chamam atenção também para os impactos da covid-19 no mercado e na produção da carne bovina. A pandemia colocará no topo do debate global a preocupação com a sanidade animal, onde devem crescer as exigências e consistência sobre os sistemas de vigilância e controle de doenças que atingem animais e humanos. “Esta pode ser uma grande oportunidade para a cadeia da carne bovina mostrar ao mundo, de forma transparente, como os nossos processos produtivos, tanto no campo como na indústria, são confiáveis”, afirmam.

De acordo com o estudo, a maior transformação será no processo de distribuição, seja de insumos, gado ou da carne. A relevância da sanidade, qualidade e sustentabilidade crescerá via interação digital com o consumidor final. Entretanto, torna-se de fundamental importância a promoção de melhorias no sistema de conectividade no território brasileiro, especialmente, no campo.

“É de fundamental importância a criação e fortalecimento dos diálogos entre stakeholders em rede no setor de carne bovina. A integração e coordenação da cadeia é extremamente necessária e estratégica. É preciso romper a cultura demarcada pela falta de relacionamentos sistêmicos e avançar em modelos colaborativos em rede, já realizado com êxito por países como Austrália, Canadá, China, Estados Unidos, Reino Unido e Uruguai. A Câmara Setorial da Bovinocultura de Corte do Ministério da Agricultura poderia ser um fórum propício para germinar uma ação nesse sentido”, afirma Elísio Contini.

Desafio para o escoamento das exportações

A concentração das exportações de carne bovina nos portos das regiões Sul e Sudeste evidencia os corredores de exportação dos estados brasileiros produtores de carne situados nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste. No caso dos frigoríficos de Mato Grosso, por exemplo, as rodovias BR-364 e BR-163 estão entre as principais vias de escoamento da produção do território destinada à exportação, convergindo aos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR). Já a produção do território goiano segue, sobretudo, pelas BR-153, BR-364 e a BR-050, em direção ao porto de Santos.

No entanto, o estudo apontou a necessidade de reorientar a matriz de transporte para maior integração entre os percursos rodoviário e ferroviário. O transporte rodoviário poderia ser realizado entre os frigoríficos e os pátios de transbordo da ferrovia, por ser o mais flexível, com maior disponibilidade de vias de acesso e rapidez na entrega. Por sua vez, o modal ferroviário seria adequado para o transporte de carga por longas distâncias, desde os pátios da ferrovia até os portos litorâneos. Em relação à logística de exportação da carne bovina, nota-se uma concentração em alguns portos da região Sul e Sudeste.

Para diminuir essa concentração, sugere-se maior exportação pelos portos do Nordeste e Norte brasileiro, quando o produto tiver como destino os portos da Europa, do Oriente Médio e da América do Norte.

As projeções para a pecuária brasileira mostram que o setor deve apresentar um significativo crescimento nos próximos anos e a expectativa é que a produção de carne bovina no Brasil continue a crescer na próxima década. Segundo projeções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no período de 2018 a 2028, a produção de carne bovina do Brasil deverá crescer 2,1% ao ano. Neste contexto, espera-se atingir 12,15 milhões toneladas produzidas em 2028, com 22,7% de variação em relação a 2018.

Fonte: Embrapa

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Garota expande e transforma sítio da família, na cidade de Cabixi, em exemplo na engorda de bois

Publicado

em

Por

Garota expande e transforma sítio da família, na cidade de Cabixi, em exemplo na engorda de bois

Ela concluiu os estudos do segundo grau e decidiu que era o momento de ajudar sua mãe e seu pai a tocar os negócios de família, o Sítio Miranda, no município de Cabixi. A propriedade, que era voltada à produção de suínos, passou por diversificação das atividades e até expansão de fronteiras, depois que a administração passou a ser feita em conjunto entre a jovem produtora Vanessa Miranda e seus pais.

A história foi destaque do quadro Giro pelo Brasil. “É uma jovem diferenciada. Quando terminou o segundo grau, resolveu ajudar o pai e a mãe no negócio da família no sítio. Eles tocavam uma granja de porco e aí caíram para dentro do negócio (pecuária de corte). Ela resolveu mexer com gado também e hoje engorda em torno de 200 cabeças em um confinamento fechado, mais um pouco no no semiconfinamento. Já andou comprando mais propriedades por lá. É uma jovem que só está crescendo”, reconheceu o originador da Friboi para a unidade de Vilhena, Wagner Alencar.

Desde que Vanessa passou a integrar a administração do sítio, outras duas propriedades já foram adquiridas para os negócios da família, um fruto do esforço da jovem que, se preciso, coloca a mão na massa e ajuda em tarefas como soldagem das gaiolas dos suínos, conforme já presenciou o originador em visita recentemente realizada. Ainda de acordo com relato de Alencar, as boiadas engordadas no confinamento apresentam bom padrão, sendo jovens e com o acabamento de gordura adequado.

Fonte: Reprodução

Autor: Canal Rural

Continue lendo

Agronegócio

Rondônia na Campanha “Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos”

Publicado

em

Por

As mulheres rurais de Rondônia e de tantos outros estados brasileiros estão representadas na 5ª edição da campanha “Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos”, que foi lançada nesta quarta-feira, 29, no Palácio do Planalto, em Brasília.
No vídeo de lançamento, que está abaixo, o depoimento é da cafeicultora Maria Aparecida Aruá, casada com o indígena Valdir Ferreira Aruá. Eles vivem na Terra Indígena Rio Branco, em Alta Floresta D’Oeste – Rondônia, com os três filhos. Na lavoura, eles têm banana, castanha e são reconhecidos pelo plantio dos cafés Robustas Amazônicos sustentáveis e especiais.
Por meio de fotos e vídeos depoimentos, estas mulheres rurais contam suas histórias de desafios e vitórias. Essas destemidas mulheres não poupam esforços para realizar o trabalho diário, cuidar família e levar alimentos para as mesas de todos nós!
O objetivo da campanha “Mulheres Rurais, Mulheres com Direito 2020-2021” é dar visibilidade ao papel importante das mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes, especialmente diante de um complexo contexto de desigualdades estruturais e de desafios sociais, econômicos e ambientais. Diante do impacto da pandemia da COVID-19 na região, os desafios tornaram-se ainda maiores.
A 5ª edição da campanha é uma iniciativa conjunta e colaborativa internacional e intersetorial promovida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO na América Latina e no Caribe. No Brasil, o comitê que executa as ações da campanha de maneira conjunta é formado pela FAO, pela ONU Mulheres, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Embrapa, Aliança de Cônjuges de Chefes de Estado e Representantes (ALMA) e demais instituições.
A solenidade de lançamento contou com as presenças do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e das ministras Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), e do representante da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) no Brasil, Rafael Zavala.
Fonte: Renata Silva

Continue lendo

Agronegócio

Governador de Rondônia confirma apoio a evento de agronegócio totalmente on line

Publicado

em

Por

Agrolab Amazônia é uma iniciativa do Sebrae com a adesão de importantes parceiros

O Governador Coronel Marcos Rocha se reuniu na manhã desta sexta (24), junto com alguns secretários de estado, para conhecer o projeto do evento Conecta Sebrae Agrolab Amazônia, que foi apresentado pelo Diretor Técnico do Sebrae em Rondônia, Samuel Almeida em reunião virtual.

O gestor do Executivo Estadual se inteirou dos detalhes e colocou sua equipe à disposição do evento, que promete ser uma grande revolução, especialmente para o homem do campo, uma vez que oferecerá uma experiência de realidade virtual nunca antes experimentada pelo setor produtivo na Amazônia. “Achei bastante interessante e vamos encaminhar inclusive ao Presidente Bolsonaro e também a diversos ministros. Parabéns ao Sebrae, acho que nosso estado precisa disso e tem tudo para dar certo. Rondônia é um estado que nasceu para dar certo! ”, disse o governador, que estava acompanhado de secretários e assessores, como o Secretário de Estado da Seagri, Evandro Padovani e o Superintendente da Sedi, Sergio Gonçalves.

O diretor técnico do Sebrae, Samuel Almeida apresentou a proposta da feira, com seus diversos ambientes a serem visitados virtualmente pelos participantes mas frisou que será mais que um evento virtual: “O Agrolab Amazônia será a conexão a integração que precisamos para continuar contribuindo com o desenvolvimento de nosso estado”, disse ele.

Samuel propôs que durante o evento seja realizado um fórum virtual de governadores da Amazônia Legal para discussão de grandes temas para a região. ”Vou levar a proposta no grupo que temos de governadores e vou conversar com o presidente do fórum, que é o governador do Amapá, Waldez Góis”, pontuou o governador.

O Conecta Sebrae Agrolab Amazônia será um evento virtual voltado ao agronegócio onde uma plataforma on line será disponibilizada e acessada pelos participantes e trará grandes palestras de interesses do produtor rural, discussões relevantes em torno dos gargalos que o setor produtivo enfrenta e também a geração de negócios. O evento ocorrerá nos dias 22 a 24 de setembro e a programação será divulgada em breve.

Plataforma on line

O Conecta Sebrae Agrolab Amazônia será uma plataforma on line, com inscrições gratuitas onde o participante assumirá um avatar ao se conectar no evento e poderá navegar pelos ambientes virtuais criados. Poderá assistir palestras, participar de rodadas de negócios, fazer networking, visitar stands virtuais e muito mais. Para fazer uma pré inscrição, basta acessar www.agrolabamazonia.com

e receber conteúdos exclusivos do evento (programação, palestrantes e demais informações).

Saiba mais sobre as ações do Sebrae no agronegócio, acesse o site www.sebrae.ro ou ligue gratuitamente para 0800 570 0800. Você também pode acessar o Sebrae pelo WhatsApp, (69) 98130 5656, Instagram, Facebook, Twitter, LinkedIn e YouTube nos canais Sebrae RO.

Continue lendo
--Publicidade--
--Publicidade--

Publicidades

--Publicidade--
--Publicidade--

Tendências

%d blogueiros gostam disto: