Conecte-se conosco

Agronegócio

Quem ama florestas, consome cafés sustentáveis

Publicado

em

O Brasil possui uma das cafeiculturas mais emblemáticas do mundo e o consumo direcionado pode ser uma forma de engajamento ambiental

Vivemos tempos em que as informações nos chegam nas mais diferentes plataformas e mídias, e isso é muito bom. Mas, essa popularização do conhecimento trouxe algo tão letal quanto à desinformação: a má informação. Quando estas notícias tratam de temas importantes como a preservação das florestas é preciso ter ainda mais cuidado.

É disso que vamos falar, da relação complexa entre a agricultura e a floresta. Não se pode ser inocente e dizer que a produção de alimentos no mundo não se deu com base no desmatamento. Isso sempre foi uma realidade e, em fronteiras agrícolas mundo afora, ainda pode ser observado. Mas, que fique bem claro, existe uma grande diferença entre produção sustentável de alimentos e degradação ambiental. O Brasil é muito rico em bons e maus exemplos e é necessário não generalizar para não criar preconceitos e julgamentos injustos. 

A Embrapa tem preconizado que a agricultura precisa ter um viés sustentável e busca, constantemente, em parceria com outras instituições, novas tecnologias com essa finalidade. Nesse contexto, há um novo modelo de produção agrícola integrada, que vem se tornando, a cada dia, mais popular no país, englobando diversas combinações entre os componentes agrícola, pecuário e florestal. 

Como resultado disso, temos diferentes sistemas integrados, como lavoura-pecuária-floresta (ILPF), lavoura-pecuária (ILP), silvipastoril (SSP) ou agroflorestais (SAF). Atualmente, são 15 milhões de hectares no país que utilizam os diferentes formatos da estratégia ILPF e a estimativa é de que, para os próximos 10 anos, sejam mais de 42 milhões. 

Se, no passado, a agricultura andava de mãos dadas com a degradação ambiental e o desmatamento, essa realidade já não é verdadeira para muitas das principais culturas alimentares do mundo e, dentre elas, destaca-se o café. 

Podemos dizer que esse grão que construiu cidades e é a bebida mais consumida no mundo, depois da água, pode representar uma ferramenta vital para a inclusão e desenvolvimento social, qualidade de vida e preservação ambiental no Brasil, principalmente, na região amazônica. Isso não é sonho, é realidade.

Adoção de tecnologias é o caminho da sustentabilidade

Na safra atual de 2020, a expectativa de produção do café no Brasil é de 60 milhões de sacas de 60 Kg, colhidas em 1,8 milhões de hectares. Mas, para demonstrar a evolução da cafeicultura nas duas últimas décadas serão comparadas duas safras de baixa produção (bienalidade negativa), 2001 e 2019. 

Em 2001, o Brasil possuía 2,6 milhões de hectares plantados com café – 2,2 milhões em produção e 400 mil em formação – que produziram 31 milhões de sacas. Para a safra de 2019, a produção foi de 49 milhões de sacas, cultivadas em 2,1 milhões de hectares – 1,8 milhões em produção e 319 mil em formação. 

Ao se observar o gráfico da série histórica da produção de café no Brasil – dados da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, nota-se que entre os anos de 2001 e 2019 houve um decréscimo de 19% na área cultivada, cerca de 500 mil hectares a menos. Mas, ao contrário do se poderia imaginar, a produção do grão aumentou 58% no período. 

Esse maior rendimento das lavouras foi motivado, principalmente, pela incorporação de novas tecnologias no campo, que fizeram a produtividade média das áreas subir de 14 para 27 sacas por hectare, um aumento de 93%.

Além disso, apesar da renovação constante das lavouras, numa taxa média superior a 6% ao ano, isso não se refletiu em um aumento de área cultivada ao longo das duas últimas décadas. Demonstrando que, as áreas em formação são, em sua maioria, a substituição de plantios obsoletos por outros mais tecnológicos. 

Dentre as novas tecnologias incorporadas na cafeicultura, podemos citar: melhoramento e seleção genética, manejo de irrigação, arranjos espaciais eficientes, conservação do solo e manejo integrado de pragas e doenças. Tudo isso tornou as lavouras brasileiras mais sustentáveis e agronomicamente eficientes. 

Os números apresentados no gráfico abaixo demonstram que a evolução da cafeicultura no Brasil, passa longe do desmatamento. O país se consolida como a “nação do café”, sendo responsável por cerca de um terço da produção mundial.

Cafeicultura na Amazônia

O Brasil é um dos principais “players” da cadeia produtiva do café no mundo. É o maior produtor, exportador e segundo maior mercado consumidor. Possui uma cafeicultura plural e diversificada. Uma verdadeira paleta sensorial, reproduzida em aromas e sabores originados em lavouras das espécies arábica e canéfora (conilon e robusta), cultivadas de norte a sul do país. Um grande exemplo disso está numa das regiões mais emblemáticas do mundo: a Amazônia.

Para exemplificar o que acontece na produção de café nesta região vamos falar de Rondônia que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE é responsável por 97% de todo o café produzido na Amazônia. O estado é o quinto maior produtor de café do país e segundo da espécie canéfora. Se a cafeicultura no Brasil como um todo evoluiu, o salto na cadeia produtiva de Rondônia foi quântico. 

Café na Amazônia não é uma coisa recente. Segundo relatos históricos, a primeira lavoura de café do Brasil foi cultivada em terras do norte, no Estado do Pará, em 1727. Depois, foi levada para a região sudeste, mais evoluída à época, e se desenvolveu nos moldes como conhecemos hoje. O café só voltou a ter importância econômica para a região amazônica na década de 1970, com os pioneiros que foram desbravar a região. Eram migrantes vindos, principalmente, dos estados do Espírito Santo, Paraná e Minas Gerais. 

Foi um período de grande expansão territorial das lavouras na região norte, mas, o café produzido era considerado de baixa qualidade e as plantas pouco produtivas. Resultado de uma atividade agrícola de características quase extrativistas e de pouca eficiência de uso da terra. 

Assim como ocorreu em todo o país, a cafeicultura na Amazônia cresceu. Em 2011, o Estado de Rondônia já contava com 318 mil hectares de lavouras – 245 mil em produção e 73 mil em formação – que produziam 1,9 milhão de sacas e ainda mantinham um padrão de baixa tecnologia, com produtividade média de oito sacas por hectare. 

Atualmente, a expectativa de produção para a safra de 2020 é superior a 2,3 milhões de sacas, produzidas em uma área plantada 78% inferior à de 2001, e com 71 mil hectares, sendo 65 mil em produção e seis mil em formação. Em quase duas décadas, a produtividade evoluiu para 36 sacas por hectare, graças aos produtores que, a cada ano que passa se dedicam mais ao uso de tecnologias de base sustentável. 

Se o Brasil fez o dever de casa nos últimos anos, os cafeicultores da Amazônia estão fazendo tarefas extras. Pois, se existe uma região no globo terrestre que pode aumentar vertiginosamente a sua produção de café, sem que seja necessário um único hectare de desmatamento, ela está no Estado de Rondônia. 

Em cálculos simples, se retornarmos ao “status” de área cultivada de 2001 e a produtividade atual, o estado produziria mais de 11 milhões de sacas de café. Sim, a resposta para uma demanda crescente de produção mundial de café, pode encontrar seu lugar na Amazônia. Veja essa evolução surpreendente dos últimos anos no gráfico abaixo.

“Green forest trade” para os cafés amazônicos

Dito isto, fica claro que o recorrente argumento do vínculo entre a produção da cafeicultura e o desmatamento não procede. Não apenas a cafeicultura reduziu a área utilizada de lavouras, como se tornou mais eficiente e produtiva. E, ouso dizer que quem ama as florestas deveria consumir mais cafés brasileiros e, principalmente os amazônicos. O mercado mundial de café já valoriza muito o comércio justo – fair trade e poderia passar a pagar um “green forest trade” para os cafés amazônicos com viés ecológico.

A cafeicultura pode ser genuinamente sustentável e uma aliada à preservação das florestas. Por apresentar alto rendimento econômico por hectare, quando comparado a outras mais extensivas, é capaz de sustentar a qualidade de vida dos cafeicultores e suas famílias em pequenos módulos rurais. Isso representa menor pressão sobre a floresta e menor suscetibilidade desses agricultores a atividades ambientais predatórias. 

Apenas em Rondônia, os cafeicultores formam um verdadeiro exército de mais de 17 mil famílias que têm o café como principal fonte do seu sustento. Estes produtores são quase um quinto de todos os estabelecimentos rurais do estado. Manter a viabilidade econômica dessas famílias no campo deveria ser uma meta para toda a cadeia produtiva do café e de quem se preocupa com as florestas no Brasil e, principalmente na Amazônia.
 

Mais qualidade, inclusão e reconhecimento 

Uma demonstração da evolução da cafeicultura na região amazônica é que está em processo o reconhecimento do que será a primeira Indicação Geográfica de cafés canéfora sustentáveis no mundo. Trata-se da Região Matas de Rondônia que produz os Robustas Amazônicos, sendo responsável por, aproximadamente, 80% de todo o café produzido na Amazônia. 

Além disso, preservar a floresta nunca foi tão agradável e prazeroso. Os Robustas Amazônicos, cuja excentricidade e características sensoriais únicas têm conquistado a atenção dos consumidores de cafés finos no Brasil e no mundo, são tema do maior concurso da espécie no Brasil, o Concafé. Além de premiar, anualmente, os melhores cafés produzidos no estado, também condecora as lavouras mais sustentáveis. Não se trata apenas de produzir em quantidade e qualidade. A evolução da cadeia também precisa garantir a preservação do meio ambiente para as próximas gerações.

Na Amazônia, o café defende também o que muitas vezes está esquecido nos discursos de preservação e sustentabilidade: o fator humano. Os habitantes dessa região dependem dos recursos do meio para sobreviver e precisam buscar formas de uma convivência harmônica com o meio ambiente.

Rondônia tem dado bom exemplo. Iniciativas de inserção social estão acontecendo de forma orgânica e natural junto à cadeia produtiva. A cafeicultura amazônica nunca foi tão plural e inclusiva. Mulheres, jovens e indígenas são parte fundamental e movimentam as lavouras. A Aliança Internacional do Café – IWCA no Brasil tem em Rondônia um de seus capítulos mais bonitos. 

O protagonismo dos povos originais, que habitavam as florestas brasileiras antes de qualquer desbravador, também é uma conquista da cafeicultura Amazônica. Os indígenas, que cultivam há mais de 30 anos o café em suas terras, agora, começam a enxergar na produção de Robustas finos uma forma sustentável de obter recursos financeiros em meio à floresta. 

Por mais revolucionário que isso possa parecer, não deveria ser algo tão extraordinário assim. Não têm os cafés a sua origem nas clareiras e nas bordas das florestas africanas? Seria apenas uma espécie de resgate. O café na Amazônia é, além de tudo, uma fusão de aromas e sabores. Um grande “blend” (mistura), de tradição, tecnologia e origem.

Preservar a floresta amazônica significa manter a nossa capacidade de perder o fôlego diante das belezas e riquezas já descobertas e escondidas dessa região tão importante e emblemática. 
*Enrique Anastácio Alves é doutor na área de Engenharia Agrícola e, desde 2010, atua como pesquisador A na Embrapa, nas áreas de Colheita, pós-colheita do café e qualidade de bebida. Contato: enrique.alves@embrapa.br

Embrapa Rondônia

Contatos para a imprensa
rondonia.imprensa@embrapa.br
Telefone: (69) 3219-5011

--Publicidade--
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Declaração de rebanhos deve ser feita até dia 30 de junho, pela internet ou por telefone

Publicado

em

Por

A partir deste ano em Rondônia não haverá vacinação contra a febre aftosa, então a declaração de rebanhos é obrigatória e tornou-se ainda mais importante.

Fotos: Rolim Notícias

Em Rolim de Moura (RO), de acordo com informações da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado (Idaron), o produtor tem até o dia 30 de junho para fazer a declaração de rebanhos.

De acordo com supervisor Regional da Idaron de Rolim de Moura, Wellignton Carreta, a declaração de rebanhos (bovino, bubalino e de cabras, ovelhas e suínos) deverá ser feita preferencialmente pela internet, através do site (www.idaron.ro.gov.br), ou por telefone. A medida visa evitar aglomerações resguardando tanto a saúde dos produtores quanto a dos servidores das unidades, prevenindo risco de contaminação pelo coronavírus, explica. 

A declaração pode ser enviada também por e-mail ou WhatsApp, confira os números de telefone disponíveis para declaração:

  • (69) 3442-2365
  • (69) 9. 9290-7706
  • (69) 0800 643 4337

A partir deste ano em Rondônia não haverá vacinação contra a febre aftosa, então a declaração de rebanhos é obrigatória e tornou-se ainda mais importante.

Fotos: Rolim Notícias
Fotos: Rolim Notícias

 Fonte: Rolim Notícias

Continue lendo

Agronegócio

Nebulização é essencial para prevenção de doenças respiratórias em aves e suínos

Publicado

em

Por

Programa de biosseguridade ajuda a garantir a saúde dos animais

As doenças respiratórias estão entre as principais responsáveis pela perda de produtividade em granjas de aves e suínos. “Para combater os vírus e as bactérias que infectam esses animais, os produtores devem considerar importantes fatores de riscos, como mudanças de temperatura, densidade de animais e, principalmente, cuidados com a biosseguridade do ambiente”, informa Ana Caselles, gerente técnica da Sanphar para a América Latina.

Como estratégias de manejo, Ana recomenda a nebulização do ambiente, técnica de desinfecção para baixar a pressão de infecção agindo sobre micro-organismos, como vírus, suspensos no ar e que podem causar problemas respiratórios nos animais. “Em granjas mais modernas, a nebulização pode ser realizada pela tubulação instalada junto ao teto. Quando não há essa opção, os profissionais podem realizar a nebulização via spray através de equipamentos”, informa a especialista da Sanphar.

Dentre as doenças respiratórias mais comuns na avicultura está a Bronquite infecciosa, que tem como agente um coronavírus, provoca sinais respiratórios, perda produtiva e mortalidade. Nos suínos, destaca-se o Complexo de Doenças Respiratórias de Suínos (CDRS), que envolve mais de um agente infeccioso e pode ser de origens diferentes (bacteriana e/ou viral).

Sanidade na granja

Para a eficaz proteção dos animais, a Sanphar conta em seu portfólio com uma moderna solução para a nebulização nas granjas. Trata-se de Timsen®, desinfetante biocida à base de cloreto de alquil dimetil benzil amônia 40%. Timsem possui amplo espectro de ação e eficácia mesmo na presença de matéria orgânica. “Timsen® quebra a tensão superficial dos líquidos, o que aumenta o poder de penetração da solução desinfetante”, explica Ana Caselles.

Biodegradável, Timsen® não provoca irritação ou lesão no trato respiratório, não polui o meio ambiente, não é corrosivo e tampouco irritante. Ele ainda microniza a gota d’água, mantém-se em suspensão por mais tempo e apresenta alta solubilidade devido à fórmula patenteada em formato de cristais solúveis para altas e baixas temperaturas de água. Para a nebulização sobre animais, recomenda-se 1g do produto para cada 1 litro de água. O produto está disponível em potes de 200g e 1kg.

Sobre a Sanphar

A Sanphar é a empresa de saúde animal do Grupo Erber, com sede global na Áustria, referência em pesquisa e desenvolvimento de desinfetantes, fármacos e aditivos para aves e suínos. Site: www.sanphar.net/pt

Giovanna Borielo

Sta Press | Grupo Texto
cid:image002.png@01D51AD0.221AA930 (+55) 11 3039-4100    cid:image003.png@01D51AD0.221AA930(+55) 11 95872-4897

Continue lendo

Agronegócio

Horta em casa: em tempos de pandemia, como cultivar para uma boa alimentação

Publicado

em

Por

Um dos benefícios de se plantar em casa é aumentar a gama de alimentos orgânicos consumidos.

Plantar em casa as mais diversas variedades de ervas para chás, temperos, legumes, verduras e frutas é uma boa alternativa para o bolso e para a saúde. Afinal, um pequeno espaço no quintal ou até mesmo no apartamento pode se transformar em uma hortinha e virar uma rotina que coloca alimento fresco à mesa. Em tempos de pandemia da Covid-19, esse cultivo caseiro além dos benefícios acima, também pode virar passatempo.

No caso de Rita Silva, de 53 anos, ter um espaço verde em qualquer canto alegra a casa e rende colheitas fartas. Com conhecimento passado de geração para geração, cultiva ervas para chás, temperos e até pé de figo no apartamento que mora em Uberlândia.

“Todo mundo pergunta por que eu tenho um pé de figo em casa. Pode não dar figo aqui no apartamento, sei que é complicado, mas é pelo prazer de ver sair do solo, do jeito que cresce. No apartamento, já plantei e colhi rabanete, cebolinha, cebola, alho, morango, batata doce, entre outros. Acho que uma casa sem planta fica sem graça, é como uma macarronada sem queijo”, contou a estudante de serviço sociais.

Luciano Caixeta durante atendimento a horta em Tupaciguara — Foto: Reprodução/Instagram

Luciano Caixeta durante atendimento a horta em Tupaciguara — Foto: Reprodução/Instagram

O professor e mestre do curso de Agronomia da Unipac, de Uberlândia, Luciano Caixeta, explicou que as hortas da região do Triângulo Mineiro são mais voltadas para temperos e ervas para chás. Cultivos que cabem em locais pequenos e crescem rápido.

“Na nossa região, as pessoas gostam muito de temperos caseiros, como salsinha, cebolinha, hortelã. São plantas que vão rápido. Mas também tem os tomatinhos cereja, que vão bem tanto em casa, quanto em pequenas hortas. Para chás, as pessoas gostam de hortelã, poejo, que cabem em uma sacada, em uma jardineira, e plantam em casa”, explicou o professor.

Benefícios

Um dos benefícios de se plantar em casa é aumentar a gama de alimentos orgânicos consumidos. A nutricionista de Uberlândia, Camilla Borges, reforçou esse discurso e vê motivação extra tanto para a pessoa que tem a iniciativa, quanto para a família na busca de novos hábitos na alimentação.

“Plantar em casa pode ser o início da mudança para as pessoas adotarem hábitos mais saudáveis na alimentação. Quem tiver criança em casa também é importante envolvê-la em todo o processo de construção da horta, do plantio, de colher o alimento, para que ela entenda de onde vem o alimento até chegar à nossa mesa. Isso permite que a gente desenvolva um novo hobby, uma atividade que faz bem para a saúde como um todo”, pontou a nutricionista.

Como plantar em casa

Além de um espaço, alguns itens são necessários para se cultivar uma horta em casa:

  • um vaso ou jardineira
  • pedriscos
  • e terra vegetal.

O próximo passo é escolher entre sementes e mudas. A incidência de luz solar também faz diferença.

“Em lojas de preços populares conseguimos encontrar jardineiras e pedriscos. O pedrisco vai no fundo da jardineira para não acumular água. Depois do pedrisco entra a terra vegetal por cima, aí já pode plantar. É bom lembrar que a maioria das culturas precisa de sol, como as hortaliças. Elas não podem pegar sombra. Se moro em um apartamento que não pega sol, apenas luminosidade, essas plantas não podem ser plantadas”, explicou Luciano Caixeta.

Rita Silva tem duas varandas em casa e escolhe a com mais incidência de luz solar em cada época do ano — Foto: Lucas Papel/G1

Rita Silva tem duas varandas em casa e escolhe a com mais incidência de luz solar em cada época do ano — Foto: Lucas Papel/G1

A vantagem dessas hortinhas é que elas resistem às épocas do ano, desde que sejam criadas condições para tal. A umidade, por exemplo, é outro fator a ser considerado ao iniciar uma plantação.

“Não tem muita época (para plantar). O tomate, por exemplo, não gosta de muita umidade. Se eu tenho uma sacada ou uma horta pequena eu consigo controlar essa água no tomate. Esse período agora é muito propício para as folhas, como rúcula, hortelã, alface, brócolis, couve-flor, porque não tem muita umidade”, completou o professor.

Um pouco de conhecimento com profissionais, livros ou buscas na internet também ajuda, assim como a troca de experiências com quem já cultiva. Rita Silva tem esse costume, mas traz ensinamentos, principalmente, da avó e da mãe.

“Fui aprendendo com os antigos. Morei com minha avó na adolescência e lá tinha muita planta. O café nosso era colhido no quintal. Tinha pêssego, figo, pés enormes, e uma horta. Minha mãe também gostava, plantava jiló e tomate que dava para distribuir para a cidade inteira (risos)”.

Dicas sobre chás e temperos

Muitas das ervas utilizadas na produção de chás são usadas para diminuir a ansiedade e a tensão. A nutricionista Camilla Borges também destaca outras propriedades, que podem estar plantadas no quintal ou na varanda de casa.

“Os chás de camomila, maracujá, capim-limão, valeriana, podem nos auxiliar a reduzir o estresse, a ansiedade, uma vez que esses chás têm propriedades ansiolíticas, sedativas e calmantes e podem ser muito úteis principalmente nesse momento que estamos vivendo. Outros chás como o chá verde, preto e mate, podem nos ajudar a ter mais disposição no dia a dia. De uma maneira geral, estudos mostram que os chás podem ter ação antioxidante, efeito protetor contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer”, comentou.

Chás de ervas caseiros têm inúmeras propriedades — Foto: Unsplash/Divulgação

Chás de ervas caseiros têm inúmeras propriedades — Foto: Unsplash/Divulgação

A receita caseira de Rita Alves é o chá de tanchagem, planta que atua contra diversas infecções, como a das vias respiratórias.

“O chá de tanchagem é simplesmente ferver a folha e tomar como se fosse um comprimido à noite. Se tiver sinusite e tomar, no outro dia sai tudo, descongestiona. Para a garganta, infecção urinária, ele é bom. Não existe uma proporção, é por rumo, igual os antigos. Se for muita folha, muita água, menos folha, menos água. Mas tem que usar as folhas mais velhas”, explicou Rita.

Dos chás para os temperos, cultivar plantas como alecrim, tomilho, orégano, hortelã, é uma boa saída para diminuir o consumo de sal na comida, que é muito alto pelos brasileiros, como explicou Camilla Borges.

“É importante que os temperos naturais substituam o sal na nossa alimentação. A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo de sal diário seja equivalente a uma colher de chá (5g), e a média de consumo dos brasileiros é de 12g. O excesso do consumo de sal está ligado a hipertensão, problemas renais e infarto, por exemplo”, finalizou a nutricionista.

Por Lucas Papel, G1 Triângulo e Alto Paranaíba

Continue lendo
--Publicidade--

Publicidades

--Publicidade--

Tendências

Copyright © 2020 Portal de Notícias Floresta Notícias. Todos Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: