conecte-se conosco

Agronegócio

Estado pretende por em operação laboratório de qualidade do leite em 2020

Publicado

em

A importância da análise do leite vai além do resultado da contagem de células somáticas, da contagem de bactérias, e de teor de gordura

Para atender a cadeia do leite em Rondônia, a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) reuniu para uma tomada de decisão, a Emater-RO, a Embrapa e a Fundação de Amparo a Pesquisa (Fapero), a fim de montar estratégias de agilização operacional para o Laboratório de Qualidade do Leite( LQL). O interesse maior do Estado é criar condições para os produtores e indústrias de laticínios cumprirem as normativas 76 e 77 do Ministério da Agricultura (Mapa), que exigem analise do leite com contagem de células somáticas, contagem total de bactérias e teor de gordura, entre outros, para dar garantia de qualidade aos produtos derivados do leite cru.

Os produtores de leite e indústrias de laticínios de Rondônia aguardam o funcionamento pleno do LQL, para realizarem suas analises aqui mesmo no Estado, porque atualmente estão enviando suas amostras de leite para analise em laboratórios de Goiás e Paraná, arcando com todos os custos que a logística de envio das amostras exige. A amostra precisa sair a propriedade rural e chegar ao laboratório com temperatura entre quatro e sete graus centígrados.

O laboratório de Rondônia foi construído pelo governo do Estado com recursos do fundo Proleite, e atualmente administrado é pela Embrapa, mas enfrenta algumas dificuldades, principalmente por falta de pessoal, limitação que poderá ser solucionada nos próximos 30 dias, prevê o secretário de agricultura Evandro Padovani.

A equipe técnica do laboratório será composta por profissionais do quadro do estado de Rondônia

Todas as instalações físicas do LQL de Rondônia estão prontas para realização das analises de amostras de leite, em equipamentos totalmente automatizados que dão total garantia e segurança dos resultados da analise do leite, e também totalmente legalizado com certificado de acreditação do Mapa e sistema ISO.

A cadeia do leite é uma das principais atividades econômicas do estado de Rondônia, e uma das que mais gera ocupação e emprega mão obra no campo, e coloca o estado em posição de destaque como maior produtor de lácteos na região norte, mas deverá acelerar seu desenvolvimento com o funcionamento da infra-instrutora de suporte a produção.

O serviço prestado pelo LQL será custeado pelos solicitantes, principalmente indústria de laticínios, que precisa ter pelo menos duas amostras analisadas por mês de cada fornecedor de leite, em cumprimento da norma regulamentadora 77 do Mapa.

O laboratório de Rondônia que está instalado em Porto Velho poderá atender demandas de indústrias e produtores do próprio estado, e dos vizinhos Acre, Amazonas e Mato Grosso, com importante redução de tempo e custos com transporte e outros aspectos logísticos.

A importância da análise do leite vai além do resultado da contagem de células somáticas, da contagem de bactérias, e de teor de gordura. Se bem interpretada por um técnico, tem a importância semelhante a um hemograma, poderá ajudar os produtores e indústria na tomada de decisões, em áreas muito importantes que vão além da segurança alimentar, como sanidade e nutrição do rebanho, diz a médica veterinária especialista em qualidade do leite, Gilvania Carvalho.

Fonte
Texto: Enoque de Oliveira
Fotos: Irene Mendes e Robson Paiva
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Com alta demanda mundial pelo milho, MT dobra volume exportado em 2019

Publicado

em

Por

Plantação de milho deve aumentar ainda mais — Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

Devido aos problemas climáticos mundiais, o milho está com problemas de fornecimento. Com a seca na Índia e o excesso de chuvas e frio nos Estados Unidos, houve diminuição na oferta mundial do milho.

Esse cenário tem favorecido o mercado de exportações de milho brasileiro. Mais de um terço da produção mundial de grãos é de milho.

Entre janeiro e novembro de 2019, 39,1 milhões de toneladas foram exportadas, o que corresponde a um aumento de 101% em relação ao ano anterior. Atualmente, 40% da safra brasileira é exportada.

Segundo o vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Fernando Cadore, a questão cambial também tem favorecido a exportação de milho.

“Com o real desvalorizado, nosso produto fica atrativo perante aos outros mercados mundiais”.

Mato Grosso é o maior exportador de milho do país — Foto: Mayke Toscano/ Gcom-MT

Mato Grosso é o maior exportador de milho do país — Foto: Mayke Toscano/ Gcom-MT

Hoje Mato Grosso ocupa o posto de maior exportador de milho do Brasil. Na última safra a produção do grão no estado chegou a 32 milhões de toneladas e foram consumidos cerca de 7 milhões de toneladas. Quase 80% da produção do estado é destinada à exportação.

Porém, apesar do cenário positivo e da alta procura, é importante manter a atenção.

“Se tivermos qualquer oscilação cambial para baixo ou alguma coisa que atrapalhe nossa exportação, o milho pode ficar retido no mercado interno, que o pode ser um problema, pois não tem o que se fazer com esse milho, não há tem como consumi-lo num curto espaço de tempo”, alerta Cadore.

Antônio Galvan, presidente da Aprosoja-MT — Foto: Nathalia Okde/G1

Antônio Galvan, presidente da Aprosoja-MT — Foto: Nathalia Okde/G1

O presidente da Aprosoja, Antônio Galvan, afirmou que a área de milho plantada em Mato Grosso vai aumentar.

“Hoje por conta do preço do milho, a rentabilidade está muito maior. Não tem como fugir do mercado atrativo do jeito que está. Eu mesmo, inclusive plantarei mais áreas esse ano do que eu plantava no ano passado. É preciso aproveitar o momento”, destacou.

Entre outras vantagens, o milho não necessita de processo industrial complexo como a soja.

Ainda de acordo com Galvan, a qualidade do milho produzido em Mato Grosso torna o produto disputado no mercado internacional.

“Nosso milho é formado no período chuvoso. Por colhermos no período da seca, o milho de Mato Grosso tem uma qualidade que é disputada em qualquer lugar no mundo. Todo o mundo quer o milho de Mato Grosso”, afirmou.

*Sob a supervisão de Pollyana Araújo

Fonte: G1

Continue lendo

Agronegócio

Arroz vai mudar de patamar de preços e subir até 30% nas prateleiras, diz Federarroz

Publicado

em

Por

Aumento chegará aos consumidores já na virada de fevereiro para março com a chegada da nova safra ao mercado. Diminuição na área cultivada e aumento das exportações ajudaram a impactar estes valores.

A nova safra de arroz deve ser colhida durante o mês de março e chegar ao mercado já com um novo patamar de preços. Segundo o presidente da Federarroz (Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul), Alexandre Velho, o grão deve registrar aumento entre 20 e 30% nas prateleiras dos supermercados já no final de fevereiro.

Entre os motivos para este reajuste estão a diminuição na área cultivada, que caiu 250 mil hectares nos últimos 5 anos, ficando em 940 mil hectares para esta safra, e o aumento nas exportações brasileiras, que encerraram 2019 maiores do que 1,4 milhões de toneladas, antes expectativa de 900 mil toneladas no início do ano passado.

Velho destaca que em 2019 o Brasil registrou o primeiro embarque de arroz para o México, e também exportou para o Iraque e Estados Unidos, impulsionado pela alta do câmbio, conjuntura internacional e quebra da safra americana.

Para 2020 a expectativa é ampliar e fortalecer os laços com as empresas mexicanas e seguir buscando novos destinados para o grão brasileiro.

Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas
Continue lendo

Agronegócio

Agricultura familiar é incentivada com Tarde do Conhecimento e Rodada de Negócios

Publicado

em

Por

A Tarde do Conhecimento será realizada no dia 7 de março

Tive início a organização de dois importantes eventos na região de Cacoal voltados, principalmente, à agricultura familiar. Os eventos, Tarde do Conhecimento e Rodada de Negócios, são preparados através da união de diversos órgãos de governo, entidades e instituições parceiras.

Na manhã de hoje (20), o secretário executivo regional de Governo, Celso Adame, recebeu o gerente regional da Emater (Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia), Samuel Guedes Borges, e o supervisor regional da Emater, Wilian Parmezane para definir  detalhes de dois eventos já programados.

A Tarde do Conhecimento será realizada no dia 7 de março, no Teatro Municipal de Cacoal. Entre os temas que serão abordados durante toda a tarde, estão a Gestão de Pequenas Propriedades e a Sucessão Familiar.

O objetivo da Tarde do Conhecimento é despertar ainda mais o interesse dos filhos na sucessão familiar nas atividades rurais. Queremos mostrar a força do campo e a atenção que este governo vem dispensado à agricultura familiar, com uma série de investimentos que são feitos e que procuram agregar ainda mais valor à produção. A expectativa é reunir mais de 400 produtores de toda a região de Cacoal e municípios vizinhos”, destacou Celso Adame.

Em abril a expectativa é a Rodada de Negócios que programada para o município de São Felipe D’Oeste. O evento acontece nos dias 8 e 9 de abril e traz dentro da programação palestras técnicas, oficinas, exposição de máquinas, veículos e serviços e ainda diversos debates voltados ao fomento das agroindústrias e também da agropecuária.

O município de São Felipe foi escolhido, pois a ideia é descentralizar as ações do governo. Queremos trazer eventos como estes, que fomentam o setor, também para os municípios menores, fora do eixo da BR-364. Isso porque a Rodada de Negócio visa incentivar o desenvolvimento rural, atraindo empresas interessadas em divulgar e comercializar seus produtos e também produtores rurais que buscam conhecimento e investimentos para a sua propriedade rural”, explica o gerente regional da Emater, Samuel Guedes.

Fonte: Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo

Publicidades

Tendências

%d blogueiros gostam disto: