conecte-se conosco

Agronegócio

II Conferência dos Procuradores do Estado abordará nova visão

Publicado

em

Fruto da parceria entre a Procuradoria Geral do Estado de Rondônia (PGE-RO) e a Associação dos Procuradores do Estado de Rondônia (APER), a II Conferência dos Procuradores do Estado de Rondônia será realizada nos dias 21 (quinta-feira) e 22 de novembro (sexta-feira) – no Teatro Guaporé, em Porto Velho e conta com o apoio do Governo do Estado de Rondônia e da Associação Nacional dos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal (Anape).

Com o tema “Reflexões para uma nova visão de Administração Pública”, o evento tem o objetivo de promover a troca de conhecimento, o compartilhamento de experiências e fomentar uma nova percepção sobre a Administração Pública mediante discussões e debates que abordem assuntos relacionados à temática. Para isso, a programação conta com mesas redondas, painéis, e palestras.

REVISTA GUAPORÉ

Este ano, no dia da abertura, acontecerá o lançamento da revista Guaporé – publicação com periodicidade anual que terá, em sua primeira edição, artigos científicos, trabalhos técnicos e entrevistas sob a temática de uma nova visão da administração pública. “O nome Guaporé se dá por duas razões: a primeira é uma homenagem ao Rio Guaporé complementando os rios rondonienses homenageados pelo complexo do Palácio Rio Madeira e a segunda porque durante o último concurso para ingresso na carreira de procurador, um candidato fez um compilado da legislação estadual para estudo e utilização nas provas discursivas e o denominou de vade mecum Guaporé, disponibilizando a todos os demais candidatos no fórum Correio Web Concursos. Não temos conhecimento da identificação do autor dessa compilação, mas foi algo marcante para os aprovados no último concurso”, contou o presidente da APER – Maxwel Mota de Andrade.

PALESTRANTES 

Em sua segunda edição, a Conferência trará um time de 11 profissionais com experiência e estudos na área da Administração Pública. Uma curiosidade é que, nesta programação, o palco será todo composto por mulheres. Entre elas, uma prata da casa – a procuradora do Estado, Taís Cunha, que é mestre em Administração Pública e especialista em Direito Público e Advocacia Pública. “A II Conferência dos Procuradores do Estado materializa o compromisso da APER e da PGE-RO de inserir esse importante evento na agenda anual da instituição. Estou entusiasmada com a temática deste ano e com nossas palestrantes convidadas. O tema escolhido foi “Reflexões para uma nova visão de Administração Pública”, que tratará palestras com temáticas atuais e que contribuem para o melhor funcionamento da Administração Pública e sua finalidade maior, que é atender o interesse público. Tenho certeza que será um evento que agregará muito conhecimento aos seus participantes”, afirmou Taís Cunha.

O evento conta, ainda, com a participação de Eneida Desiree Salgado, doutora e mestre em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná; Karina Furtado Rodrigues, doutora e mestre em Administração Pública pela EBAPE/FGV; Luana Renostro Heinen, doutora em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina com período sanduíche na Université Paris-Ouest Nanterre la Défense; Irene Patrícia Nohara, doutora e mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da USP; Ana Cristina Aguilar Viana, doutoranda em Direito do Estado e mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Paraná; Andrea Willemin, doutoranda em Ciência da Informação e Tecnologia e mestre em Direito da Sociedade de Informação e Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Santa Catarina; Isabela Ferrari doutoranda e mestre em Direito Público pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Raquel Melo Urbano, mestre em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais; Úrsula Gonçalves Theodoro de Faria Souza, doutoranda em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí e mestre em Direitos Humanos e Desenvolvimento da Justiça pela Universidade Federal de Rondônia e Escola da Magistratura do Estado de Rondônia; Denise Luci Castanheira, mestranda em Saúde Pública pela USP e especialista em Bioética pela Faculdade de Medicina da USP.

Para incentivar a participação de alunos de graduação, o valor da inscrição será R$ 25,00. Estudantes inscritos no Cadastro Único, terão a taxa de pagamento liberada mediante apresentação de documentação comprobatória. Para discentes de pós-graduação o investimento é de R$ 50,00 e para profissionais R$ 100,00. A partir do dia 11 de novembro os valores sofrerão alteração. Para realizar a sua inscrição agora e aproveitar o valor inicial, clique aqui.

PROGRAMAÇÃO:

Dia 21/11 (quinta-feira)
19h30 – Solenidade de Abertura, lançamento da Revista Guaporé e Palestra Magna da Prof. Drª. Isabela Ferrari – Tema: “Inteligência Artificial e Direito

Juíza Federal, Coordenadora Acadêmica do Instituto New Law, mestre e doutoranda em Direito Público (UERJ), Visiting Researcher (Harvard Law School 2016/2017), Membro do Board da The Future Society/Brasil
Dia 22/11 (sexta-feira) MANHÃ

08:15  – Painel – Direito e Tecnologia

Palestrante: Ana Cristina Aguilar Viana – Palestra: “Administração Pública Digital

Doutoranda em Direito do Estado e mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Paraná. Presidente do Instituto Política para Mulheres e Diretora Jurídica do Instituto Brasileiro de Direito Administrativo Sancionador. Professora de Direito. Advogada, especialista em Direito Administrativo.
Palestra: Miriam Wimmer – Palestra: “Transformação Digital e Inteligência Artificial

Doutora em Políticas de Comunicação e Cultura pela Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (2009-2012) e mestre em Direito Público pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ (2005-2006). Graduação em Direito pela UERJ (1998-2004). Bolsista do programa internacional da Universidade de Waseda em Tóquio (2001-2002). É servidora pública desde 2007, integrante da carreira de Especialista em Regulação de Serviços Públicos de Telecomunicações da Anatel. Ocupou diferentes cargos de direção no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, onde coordenou a elaboração da Estratégia Brasileira para a Transformação Digital. É, atualmente, Diretora de Serviços de Telecomunicações no MCTIC. Desenvolve atividades profissionais e acadêmicas em temas ligados à Internet, às telecomunicações, às políticas digitais e à proteção de dados pessoais.

Intervalo

10:00 Painel – Democracia e Informação

Palestrante: Eneida Desiree Salgado – Palestra: “Desprezo à Constituição e aos princípios da Administração em tempos de erosão democrática e populismo

Doutora e mestre em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná. Estágio de pós-doutoramento junto ao Instituto de Investigaciones Jurídicas da Universidad Nacional Autónoma de México. Professora do Departamento de Direito Público e do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR desde 2008. Pesquisadora e líder do Núcleo de Investigações Constitucionais da Universidade Federal do Paraná. Coordenadora do Política Por/De/Para Mulheres. Tutora do PET-Direito/UFPR desde abril de 2015.
Palestrante: Andréa C. Nome Willemin – Palestra: “Nova Lei Geral de Proteção de Dados

Doutoranda em Ciência da Informação e Tecnologia pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC; mestre em Direito da Sociedade de Informação e Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC; Especialista em Segurança da Informação e Proteção de Dados; Formada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP e Université de Neuchâtel – Suíça; Economista formada pela Université de Savois – França e Université Genève – Suíça; Executive MBA Université de Genève – Suíça; Especialista em Direito Aeroportuário; Coordenadora do departamento Compliance e Gestão Estratégica de Tecnologia e Segurança da Informação e atuante no departamento de licitações e contratos administrativos.
Palestrante: Karina Furtado Rodrigues – Palestra: “Acesso à informação e a cultura do sigilo na Administração Pública

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Militares do Instituto Meira Mattos, na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e pesquisadora do Observatório Militar da Praia Vermelha na área de Segurança Pública. É doutora e mestre em Administração Pública pela EBAPE/FGV, e bacharel em Administração pela UFJF. Foi pesquisadora em instituições como o Centro de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito da FGV Rio; Center for Iberian and Latin American Studies (CILAS) da Universidade da Califórnia San Diego; Programa de Transparência Pública (PTP) da FGV Rio; além de ter prestado consultoria para a National Security Archive, da George Washington University. Seus interesses de pesquisa são: políticas públicas, gestão de defesa, transparência pública, regulação do lobby e governança.

Dia 22/11 (sexta-feira) TARDE

14:30  – Mesa Redonda – Mediação no novo Direito Processual Civil

– Denise Luci Castanheira
Defensora Pública do Estado de Rondônia. Mestranda em Saúde Pública (USP). Pós-graduada Especialista em Bioética (Faculdade de Medicina – USP). Possui também Pós-graduação Lato Sensu em Direito na Área da Saúde Pública (HCFMUSP). Graduada em Direito (Mackenzie). Conciliadora e Mediadora formada pela Escola Paulista da Magistratura (EPM).

– Taís Cunha
Mestre em Administração Pública pela Universidade Federal de Rondônia. Especialista em Direito Público e Advocacia Pública. Procuradora do Estado de Rondônia.
– Úrsula Gonçalves Theodoro de Faria Souza
Graduada em Ciências Jurídicas pela Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso (1992). Especialista em Direito Material e Processual Civil pela UFSC (2004). MBA em Gestão em Poder Judiciário pela FGV (2010). Mestre em Direitos Humanos e Desenvolvimento da Justiça pela UNIR – Universidade Federal de Rondônia e EMERON – Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (2019). Doutoranda em Ciência Jurídica pela UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí. Atuara como Defensora Pública em Mato Grosso do Sul (1993/5) e desde 1995 é juíza do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, atuando em Varas Cíveis, Juizado da Infância e Juventude e Juizado da Violência Doméstica contra a Mulher. Coordenadora do CEJUSC – Centro Judiciário de Solução de Conflitos de Porto Velho (2018/19). Professora de Direito Civil II da EMERON – Escola da Magistratura do Estado de Rondônia na pós-graduação em Direito para a carreira da Magistratura (2015/2019). Professora de Processo Civil III da Faculdade Católica de Rondônia (2018/2019). Instrutora interna do Tribunal de Justiça de Rondônia em gestão de unidade jurisdicional, em gestão de pessoas e em mediação e conciliação. Formadora da ENFAM – Escola Nacional da Magistratura, com ênfase em Mediação e Conciliação e Gestão de Pessoas. Tutora em EaD – Ensino à Distância. Formação em Constelação Familiar com abordagem de Bert Hellinger.

Intervalo

16:15 – Painel – Direito Administrativo Contemporâneo

Palestrante: Irene Patrícia Nohara – Palestra: “Regime Jurídico das Estatais

Livre-docente em Direito Administrativo (USP). Doutora e Mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da USP, por onde se graduou. Advogada parecerista na área do Direito Administrativo. Professora-pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Direito Político e Econômico da Universidade Presbiteriana Mackenzie, sendo responsável pela disciplina de mestrado “Reforma Administrativa e Governança Pública”. Professora convidada nas especializações de direito público da Escola Paulista de Direito, da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, da Escola da Magistratura, do CERS e do Ibegesp/Insper. Membro do Law and Society Association. Conferencista.
Palestrante: Raquel Melo Urbano – Palestra: “Entre a LINDB, a crise do controle e a desestatização: o Direito Administrativo sobreviverá?

Procuradora do Estado de Minas Gerais. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora e palestrante.

Fonte
Texto: Ana Viégas
Fotos: Leandro Morais
Secom – Governo de Rondônia

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Agronegócio

Soja: veja o que pode mexer com os preços na semana

Publicado

em

Por

De acordo com a Safras & Mercado, o surto de coronavírus ainda é um dos fatores que merecem atenção, pois impactam um grande mercado comprador, a China

Avanço da colheita da soja no Brasil deve pressionar as cotações. Foto: Pedro Silvestre

A soja teve uma semana de altos e baixos. A posição março de 2020 terminou a sexta-feira, 23, cotada a a US$ 8,90 1/2 por bushel, recuo de 0,36% na semana. De acordo com a consultoria Safras, as fracas exportações dos Estados Unidos ditaram o pregão.

Mas o que está por vir na próxima semana? O analista de mercado Gil Barabach elencou os principais pontos de atenção para a próxima semana. Fique ligado, porque eles podem influenciar os preços da soja.

  • A China ainda é o principal ponto de risco para os mercados. Assim, o andamento do coronavírus deve continuar dando a pulsação de curto prazo para os preços de soja na Bolsa de Chicago e para o câmbio;
  • No lado da demanda, o foco continua no fluxo de compra chinês, tanto o ritmo como a origem. A volta da China ao mercado norte-americano deve ter um impacto positivo sobre os preços em Chicago.
  • Já os prêmios nos portos da América do Sul tendem a perder ainda mais força. As compras chinesas nos EUA, nessa época do ano, acabaram tirando demanda da América do Sul, especialmente do Brasil;
  • No lado da oferta, a colheita brasileira anda de forma compassada por conta da chuva, o que suaviza o efeito da “barriga de safra”. Mas o avanço da safra recorde de soja no Brasil deve continuar pesando sazonalmente sobre Chicago, inibindo uma investida de alta mais expressiva;
  • A posição maio de 2020 mostra fraqueza técnica, o que deve limitar o impulso corretivo em Chicago. Atenção às referências entre e US$ 9 e US$ 9,10 por bushel. Um rompimento dessas linhas (com consistência) pode servir de impulso para um redirecionamento da cotação da soja na bolsa norte-americana;
  • O dólar batendo máximas histórica sempre é interessante para o vendedor. Ainda mais na entrada da safra. Assim, segue a oportunidade para fazer algum caixa;
  • Também é bom seguir atento à volatilidade em Chicago, pois um dólar alto associado a um repique na Bolsa de Chicago pode abrir espaço, inclusive, para fixações futuras;
  • O dólar continua como principal aliado do vendedor. Por isso, é bom seguir atento as chances de fixação cambial. A curva futura projeta dólar em R$ 4,40 para maio e R$ 4,43 para setembro. Indicação para dezembro é de R$ 4,44 (Focus aponta R$ 4,10).

Gostou do conteúdo que você acessou? Quer saber mais? Faça parte do nosso grupo de notícias!
Para fazer parte acesse o link para entrar no grupo do WhatsApp:

 Fonte: Canal Rural

Continue lendo

Agronegócio

Milho: confira o que pode influenciar o mercado nesta semana

Publicado

em

Por

O avanço da colheita da soja pode enxugar a oferta do cereal e dar sustentação aos preços no Brasil; veja as perspectivas

Dados sobre a intenção de plantio nos Estados Unidos também devem influenciar as cotações do milho.

O milho fechou a sexta-feira, 21, com preços mais baixos na Bolsa de Chicago. De acordo com a consultoria Safras & Mercado, apesar das boas vendas dos Estados Unidos, o mercado foi pressionado pela ampla oferta do grão no país.

O analista Paulo Molinari elencou fatos que merecem atenção dos produtores e investidores na semana que se inicia:

  • Mercado externo tem escassez de informações positivas para a alta;
  • USDA estima que área plantada nos Estados Unidos em 2020 deve ser de 94 milhões de acres (30 milhões de hectares) para o milho, informação que é baixista para a Bolsa de Chicago;
  • O único dado de levamento para a intenção de plantio será apenas divulgado no dia 31 de março, e será o que o mercado levará em consideração;
  • Novos surtos de coronavírus em Pequim e na Coreia do Sul seguem abalando os mercados neste momento, ainda sem sinalização de reversão do quadro epidêmico;
  • Corte de chuvas para março na Argentina pode gerar alguma volatilidade em março;
  • Expectativa é grande quanto à retomada de compras por parte da China por produtos norte-americanos em março;
  • No mercado interno, as colheitas vão ocorrendo regionalmente, na medida suficiente apenas para abastecer o mercado e não causar excedentes baixistas;
  • Preços do milho estão muito firmes em todo o Centro-Sul do Brasil;
  • Chuvas, atraso na colheita da soja e concentração de embarques complicam a logística, com alta de fretes e pouca disponibilidade de espaço nos armazéns;
  • Preços do milho podem voltar a subir em março, devido ao auge da colheita da soja;
  • Forte corte de chuvas no Sul esperado para março pode atingir lavouras mais tardias de milho de verão e as mais precoces de “safrinha” no oeste do Paraná;
  • Ausência de ofertas de bons volumes deve ser a característica do mercado em março e com preços em elevação no mercado interno.

Gostou do conteúdo que você acessou? Quer saber mais? Faça parte do nosso grupo de notícias!
Para fazer parte acesse o link para entrar no grupo do WhatsApp:

 Fonte: Canal Rural

Continue lendo

Agronegócio

Estados Unidos reabrem mercado para carne brasileira, suspenso desde 2017

Publicado

em

Por

Exportações estavam interrompidas desde a malfadada e atrapalhada Operação Carne Fraca

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou pelo Twitter que os Estados Unidos liberaram a importação de carne in natura brasileira. O produto estava banido do país desde 2017, na esteira da atrapalhada Operação Carne Fraca, que, com estardalhaço desproporcional, causou um péssimo impacto para as exportações do país. “Mais um bom resultado para nossa economia.Reconhecimento da qualidade do produto brasileiro”, escreveu a ministra nas redes sociais.

A liberação é fruto de uma série de negociações de Tereza Cristina pela ratificação da qualidade do produto brasileiro. Autoridades americanas fizeram inspeções em frigoríficos brasileiros para confirmar que o produto não seria nocivo para os consumidores estadunidenses. 

Desde o início de sua gestão, a ministra — uma engenheira-agrônoma de 65 anos, nascida em Campo Grande (MS) e reeleita deputada federal em 2018 (DEM) — acumula milhagens atrás de investimentos e novos compradores. Atravessou o planeta dedicando seu tempo aos aliados mas também a governos reticentes com Bolsonaro, como o da França. Pela atuação, Tereza ganhou a pecha de “chanceler pragmática”.

Bem avaliada na Câmara e no Senado, ela sabiamente rejeita a alcunha para não causar ciúme no comandante do Itamaraty, malquisto pelo Congresso.

Fonte: Veja

Continue lendo

Publicidades

Tendências

%d blogueiros gostam disto: