Home / Ciência / Japoneses querem ser os primeiros a penetrar o manto da Terra

Japoneses querem ser os primeiros a penetrar o manto da Terra

Os cientistas da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Terrestre-Marítima planejam estudar a vida microbiana que existe dentro do nosso planeta

Terra: mais de 80% do planeta é composto de manto (Thinkstock/Reprodução)

São Paulo – Cientistas japoneses estão a caminho de conhecer um lugar muito mencionado nos livros de geografia, mas jamais explorado pelos seres humanos. Eles planejam ser o primeiro grupo a perfurar com sucesso o manto da Terra, a segunda camada do nosso planeta que fica entre o núcleo e a crosta terrestres. As informações são do site The Japan News.

A pesquisa preliminar será realizada pela Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Terrestre-Marítima (Jamstec) em setembro deste ano nas águas ao nordeste das ilhas do Havaí. A escolha pelo mar está relacionada ao fato de que a crosta oceânica é mais fina do que a continental. Além do Havaí, México e Costa Rica são as outras duas localizações candidatas à perfuração.

A crosta marítima do Havaí será a primeira a receber os pesquisadores pois a temperatura da área em torno da fronteira entre o manto e a crosta é relativamente baixa, de 150°C. Isso torna a perfuração e a observação mais fáceis. Contudo, a camada do local é um pouco mais profunda do que a dos outros lugares escolhidos.

A Jamstec pretende realizar as escavações do manto no início de 2020. O navio Chikyu, construído em 2002 especialmente para esse tipo de missão, será usado para a perfuração. A sua broca terá que percorrer mais de quatro quilômetros de água e quase seis quilômetros da crosta terrestre para chegar ao manto.

Navio Chikyu

O manto compõe mais de 80% do volume do nosso planeta. Ele é formado por rochas que se movimentam lentamente, o que afeta as placas tectônicas, a atividade vulcânica e a deriva dos continentes. Os pesquisadores esperam que a observação direta do local possa revelar a quantidade de água que o interior do planeta guarda e a sua dureza.

Com essas informações em mãos, os especialistas poderiam entender melhor como a Terra foi formada. Além disso, eles teriam a oportunidade de examinar mais a fundo a vida microbiana que existe no manto para saber como esses organismos sobrevivem dentro do nosso planeta.

De acordo com a agência japonesa, o que pode atrasar a pesquisa é o custo das operações. Ela estima que é preciso 60 bilhões de yen (540 milhões de dólares) para a realização de todo o estudo, desde as perfurações até as observações.

Fonte: Veja

Comments

comments

Sobre floresta

Verifique também

Termo de homologação de processo licitatório da Aagraf de Alta Floresta Ro

O Presidente da Associação Agropecuarista de Alta Floresta D’Oeste RO. AAGRAF, no uso das atribuições …

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: