Home / Meio Ambiente / Gov inicia consultas públicas para ouvir população sobre utilização da água

Gov inicia consultas públicas para ouvir população sobre utilização da água

O governo de Rondônia iniciou a mobilização para que a população seja ouvida sobre a utilização dos recursos hídricos disponíveis nas sete bacias hidrográficas do estado, formada pelos rios Guaporé, Mamoré, Abunã, Madeira, Jamari, Machado e Roosevelt, divididas em 42 sub-bacias. De acordo com a Lei Complementar nº 255/2002, o Plano Estadual de Recursos Hídricos (PERH) deve adotar as bacias hidrográficas como unidades de estudo e planejamento da gestão dos recursos hídricos.

O secretário estadual do Desenvolvimento Ambiental, Vilson de Salles Machado, encaminhou expediente aos gerentes dos Escritórios Regionais da Sedam para que divulguem a realização de consultas públicas que serão realizadas a partir do dia 24, segunda-feira, com intuito de informar sobre o processo de elaboração do PERH e colher, com a aplicação de questionários, informações e sugestões dos usuários dos recursos hídricos, sejam empresas, poder público e pessoas físicas. Serão ao todo seis eventos, em municípios relacionados às bacias existentes. Porto Velho sediará evento reunindo usuários que vivem nas bacias dos rios Abunã e Madeira, abrangendo cinco municípios.

A primeira consulta pública ocorrerá no dia 24 de abril, em Guajará-Mirim, envolvendo três municípios, da bacia do rio Mamoré; no dia 25 será em Porto Velho dia 26 em Ariquemes, correspondendo à bacia do Jamari e envolvendo 15 municípios; no dia 27, em São Miguel do Guaporé, que abrange a bacia do rio Guaporé e 16 municípios; no dia 28 em Ji Paraná, tratando-se da bacia do rio Machado, que envolve 33 municípios; e no dia 29 em Vilhena, correspondente à bacia do rio Roosevelt, que abrange cinco municípios.

O PERH é um instrumento que irá definir qual a melhor forma de utilização dos recursos hídricos de uma região para que as águas continuem limpas e próprias para uso, previsto na lei federal que estabeleceu a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei n°  9.433, de 1997).  Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), 17 estados elaboraram planos de recursos hídricos. Rondônia, Goiás, Maranhão e Pará estão elaborando seus planos com apoio do Ministério do Meio Ambiente, que definiu a meta de neste ano fechar planos em todos os estados brasileiros.

O plano de Rondônia começou a ser viabilizado em novembro de 2016, quando a empresa RH Engenharia e Consultoria SS Ltda. firmou contrato com o governo estadual para elaborar os estudos técnicos e o documento consolidado do plano, que deverá ser concluído em novembro deste ano.  O levantamento, inventário e estudo dos recursos hídricos superficiais (córregos, rios e lagos), primeira etapa do processo, foi 100% finalizado, segundo o coordenador de Recursos Hídricos da Sedam, José Trajano dos Santos.

O conteúdo mínimo do plano de recursos hídricos contempla a disponibilidade dos recursos hídricos, a qualidade das águas, ambientes aquáticos, usos e demandas, vulnerabilidades, gestão dos recursos hídricos e análise dos conflitos envolvendo o seu uso.

A segunda etapa, com previsão de se concluir em maio, reside na elaboração do diagnóstico, prognóstico e cenário dos recursos hídricos de Rondônia.  Serão aplicados quatro diferentes tipos de questionários – eventos críticos; para o poder público; sociedade civil e usuários da água.  Os pesquisadores e técnicos da Sedam querem saber, entre outras questões:

  • Se ocorrem cheias no município, indicação de motivos e se afetam áreas urbanas e/ou rurais;
  • Em qual período teria ocorrido as maiores inundações no município;
  • Impactos e prejuízos decorrentes de cheias ou períodos de seca;
  • Quais as práticas utilizadas para diminuir a erosão no município (plantio direto, terraceamento, plantio em nível etc.);
  • Se foi registrado algum acidente ambiental no município;
  • Qual o percentual de população atendida com agua tratada;
  • Se existe manancial de captação de água no município;
  • Se há informação a respeito de competição/disputa pelo uso da água no setor produtivo;
  • Se existem comunidades afetadas pelos impactos sociais/ambientais causados por empreendimentos econômicos;
  • Quais os empreendimentos mais significativos em termos de uso da água;
  • Se é utilizada água superficial ou subterrânea no município;
  • Se alguma comunidade do município manifestou problemas de acesso à água de qualidade;
  • Qual a instituição/ empresa é responsável pela distribuição da água no município; e
  • Há quanto tempo empresa e/ou cooperativas atuam na região.

Ainda segundo Trajano, o diagnóstico constitui-se de uma avaliação realística da situação atual e de cenários futuros para os recursos hídricos do Estado, possibilitando ser tomado como marco de referência para avaliações futuras das consequências da ação antrópica exercida através das dinâmicas de uso e ocupação da terra.

O coordenador frisou que disciplinar o uso da água, bem público da União, é importante mesmo na região amazônica, onde o recurso é superior às outras regiões do país, porque o mau uso causa escassez ou falta de água.  É o que já acontece, conforme o coordenador da Sedam, em Rolim de Moura, Alta Floresta, Cacoal e Nova Brasilândia.

A última etapa, consolidação do PERH, é prevista para setembro, outubro e novembro.  É quando se terá o documento consolidado do plano, uma minuta do projeto de lei que instituirá o PERH, banco de dados com informações sobre ele e a ocorrência de um seminário estadual para lançamento do plano.

Fonte
Texto: Mara Paraguassu
Fotos: Ésio Mendes
Secom – Governo de Rondônia

Comments

comments

Sobre floresta

Verifique também

Nova onda de frio chega ao Brasil neste final de semana sem riscos para produção

Nova plataforma da Climatempo pretende conectar mais de 20 mil estações meteorológicas instaladas nas propriedades …

Deixe uma resposta